Por bianca.lobianco
Organizadores prometem repetir ato com mais frequência para chamar atenção de órgãos ambientaisComissão Ambiental Sul / Divulgação

Volta Redonda - Moradores de Volta Redonda, engajados na campanha “Devolva o Pó da CSN”, iniciaram um protesto neste domingo, jogando simbolicamente sacos de pó com limalha de ferro recolhidos em ruas de Volta Redonda, no Sul do estado, sede da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

O material, despejado pelas chaminés da empresa na atmosfera, segundo os organizadores, foi jogado simbolicamente em frente ao Escritório Central da Usina Presidente Vargas – um dos principais imóveis da CSN, cuja maioria dos andares do prédio está sem utilidade há mais de 20 anos – e em frente a outros pontos físicos pertencentes à empresa.

“O pó foi coletado durante uma semana pelos moradores. A ação sinaliza a possibilidade da necessária reparação aos danos causados ao meio ambiente e aos moradores pela CSN ao longo dos últimos anos”, afirmou José Maria da Silva, integrante da Comissão Ambiental Sul.

De acordo com João Thomaz, outro representante do movimento, manifestações dessa natureza vão se repetir no município com cada vez mais frequência. “É a forma encontrada pelos moradores de chamar a atenção da empresa para o aumento da poluição ambiental gerada por ela, sacrificando cada vez mais as comunidades”, justificou.

Na terça-feira, o Ministério Público Federal (MPF), de Volta Redonda, e a Cúria Diocesana do município, realizaram o seminário “Meio Ambiente e Poluição em Volta Redonda: o Papel da Sociedade”. O encontro reuniu 300 pessoas e foi marcado pelas manifestações de diversas entidades, movimentos sociais e instituições de classe em defesa do meio ambiente local.

Você pode gostar