CEG fará vistoria em passarela da morte

O DIA denunciou ontem descaso e abandono em Caxias

Por nicolas.satriano

Rio - A Companhia Estadual de Gás (CEG) prometeu enviar uma equipe para apurar as irregularidades mostradas pelo DIA na edição desta terça-feira, em Duque de Caxias, especialmente no bairro 25 de agosto, onde moradores têm de atravessar uma passarela abandonada ligando a Rua Prefeito José Carlos Lacerda à Almirante Tamandaré e à Avenida Leonel Brizola.

No local, além dos riscos da travessia, há dutos subterrâneos de gás natural e perigo iminente de explosão. Apesar das placas instaladas pela CEG informando dos riscos de fumar ou fazer escavações na região, há cinzas espalhadas, indicando a existência de fogueiras feitas por moradores de rua.

Passarela sem piso e sem grades de proteção não tem acesso interditado e representa risco a pedestresErnesto Carriço / Agência O Dia

A Secretaria Estadual de Transportes reconheceu o problema e informou que fará uma vistoria completa nas passarelas sob responsabilidade do estado ainda este mês, e que tomará todas as providências necessárias.

De acordo com a secretaria, as passarelas que dão acesso às estações do sistema ferroviário são de responsabilidade da Supervia.

Já as passarelas que cruzam a linha férrea, sem conexão com o modal de transporte, são de responsabilidade do estado ou do município, conforme a região. E que está em andamento a elaboração de convênios para transferir para as prefeituras as passarelas sob a responsabilidade do estado.

No sábado, o comerciante Bernardo Barros Sobrinho, de 61 anos, morreu ao cair de uma passarela sobre a linha férrea, de responsabilidade do estado também em Duque de Caxias. As passarelas em estado de abandono mostradas pelo DIA também são do estado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia