Enterro de menino morto no Caju é marcado por protesto e bombas

Presença de policiais militares na porta de cemitério deixou moradores indignados. Sargento foi apedrejado na cabeça

Por nicolas.satriano

Rio - Uma confusão generalizada transformou a entrada do Cemitério do Caju, na Zona Norte, numa praça de guerra. O conflito entre moradores da comunidade do Caju e policiais militares interrompeu a cerimônia de sepultamento do menino Herinaldo Vinícius de Santana, de 11, na tarde desta quinta-feira. A criança foi morta com um tiro no tórax, nesta quarta-feira à noite, na Favela Parque Alegria, quando saía de casa para comprar um bolinha de pingue pongue. 

Moradores da comunidade que estiveram no enterro protestaram contra a morte e, indignados com a presença de policiais militares na entrada do cemitério, jogaram pedras e bolinhas de gude nos PMs. Os policiais revidaram com bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha. Um dos policiais foi atingido de raspão na cabeça, mas passa bem.

Com cartazes%2C moradores protestaram contra a morte de menino assassinado na Favela Parque Alegria%2C no CajuDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

"Um grupo de pessoas jogou de tudo: pedras e bolas de gude. Felizmente, pegou de raspão na minha testa", disse aliviado o sargento André Fernandes, 4º BPM (São Cristóvão). 

Mais de uma centena de moradores da comunidade do Caju estiveram no cemitério esperando a chegada do corpo de Herinaldo. Ao ser liberado no Instituto Médico Legal, o cadáver da criança chegou num caixão branco. 

"Ele foi comprar uma bolinha de pingue pongue com o meu irmão de 15 anos e, ao correr, deu de frente com um policial da UPP que se assustou com ele. O PM acertou ele no tórax com um tiro de fuzil 762. Ele gostava de cavalos e soltar pipa. Morreu com 80 centavos no bolso. O PM que atirou nele não teve piedade. Foi uma criança que se assustou e morreu nas mãos de um policial", contou emocionada a dona de casa Nazaré Claudino, 25, irmã de consideração do menino.

PMs e manifestantes interditam a Linha Vermelha

Revoltados, moradores da comunidade do Caju que estiveram no enterro do menino interditaram a Linha Vermelha, no sentido Zona Oeste, na tarde desta quinta-feira. Por medida de segurança a Polícia Militar bloqueou a pista lateral da Linha Vermelha, no sentido Caxias, na altura do Fundão, onde os moradores chegaram botar fogo na divisória da via.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia