Por thiago.antunes

Rio - A família que enterrou por engano, como sendo sua parente, a idosa Laudelina dos Santos, de 84 anos, terá que responder por subtração de cadáver em inquérito aberto na 54ª DP (Belford Roxo).Laudelina estava internada no Hospital Municipal Jorge Júlio Costa dos Santos, em Belford Roxo, quando faleceu.

Enquanto seus parentes davam entrada no atestado de óbito, a família de uma outra idosa, chamada Lucinea Caetano, conseguiu a liberação do corpo de Laudelina junto ao hospital.

Corpo de Laudelina dos Santos foi enterrado em Inhaúma por engano. Na imagem%2C a filha da idosa mostra identidade da mãeAlexandre Viera / Agência O DIA

“Os parentes de Lucinea não quiseram reconhecer o corpo, que era de Laudelina, e uma funcionária o liberou assim mesmo. Pelo menos um parente precisaria ter feito isso”, disse o titular da 54ª DP, Felipe Curi.

A direção do hospital, no entanto, foi afastada pela Secretaria Municipal de Saúde de Belford Roxo. Uma sindicância interna também foi aberta para apurar o caso.

A família de Laudelina aguarda uma autorização judicial para poder exumar o corpo, enterrado no cemitério de Inhaúma, e fazer um novo sepultamento.

A outra idosa, Lucineia Caetano, faleceu no mesmo hospital no dia 11 deste mês. Apenas na quarta-feira, 15 de maio, mesmo dia do óbito de Laudelina, a família foi reclamar o corpo, que ainda não foi sepultado.

“Vou ouvir essa família para descobrir o motivo de não terem percebido que o corpo estava trocado”, contou o delegado.

Você pode gostar