Secretário de Defesa Civil de Nova Friburgo, Robson Teixeira - Divulgação
Secretário de Defesa Civil de Nova Friburgo, Robson TeixeiraDivulgação
Por Paula Valviesse
Em entrevista coletiva virtual nesta segunda-feira (7/12), o secretário de Defesa Civil de Nova Friburgo, Robson Teixeira, fez um balanço das ações do órgão no município e comentou sobre o plano de prevenção de desastres para o período de chuvas. Segundo Robson, o verão no município, que tem início em 21 de dezembro, deve ser diferente do enfrentado no início deste ano, com maior período de calor e chuvas fortes.

“Estamos atravessando um evento chamado ‘La Niña’, com precipitações mais fortes do que o normal para essa época do ano. Devemos ter chuvas mais fortes e períodos mais quentes, será um período de alerta, diferente do que enfrentamos no verão passado, quando tivemos muita chuva e pouco sol”, explica Robson.

Segundo o secretário, para a temporada de chuvas e eventuais emergências que possam ocorrer, o município ainda segue o plano atual de prevenção. Mas é previsto para que no próximo ano entre em vigor um novo plano, com objetivo de colocar em prática o projeto Gestão Integrada de Riscos em Desastres Naturais (GIDES), coordenado pela Jica e elaborado por especialistas brasileiros e japoneses na área.

No entanto, segundo o secretário, o plano para o próximo ano ainda será apresentado à nova gestão, não sendo de conhecimento do prefeito eleito Johnny Maycon, que assume a Prefeitura em janeiro.

Sirenes estão em funcionamento

De acordo com o secretário Municipal de Defesa Civil, Robson Teixeira, um acordo com o Governo do Estado garantiu a continuidade da manutenção do serviço de alerta por meio das sirenes com recursos estaduais. Segundo ele, em parceria com outros municípios da região foi possível que o Estado voltasse atrás na determinação de que o pagamento da manutenção das sirenes passasse a ser feito pelas prefeituras.

“O Estado doou as sirenes e também era responsável pelos custos de manutenção, mas esse pagamento chegou a ser passado para as prefeituras e o sistema chegou a ser desativado. Nova Friburgo iniciou um movimento com outros municípios e conseguimos que os valores continuem sendo pagos pelo Estado. Com isso, temos hoje 36 sirenes, das quais 31 já foram religadas. Temos ainda duas sirenes móveis, usadas em veículos para locais que não tem sirenes fixas”, conta Robson.

Município tem 98 pontos de apoio

Perguntado sobre qual a demarcação de áreas consideradas de risco em Nova Friburgo, o secretário informou que 71% do território do município se enquadra nessa situação. De acordo com ele, são cerca de 25 mil pessoas vivendo em áreas de risco na cidade.

Como não é possível mudar a geografia do município, a Defesa Civil conta com um sistema de alerta e prevenção de desastres. De acordo com Robson, são quase 30 mil pessoas inscritas para receber os alertas da Defesa Civil por meio de SMS. Além disso, atualmente existem 98 pontos de apoio, com capacidade de receber as famílias que precisam deixar suas casas em caso de risco.

“Entre 1º de janeiro e 31 de dezembro fazemos em média três mil vistorias das mais diversas. Em um ano mais complicado esse número pode chegar a cinco mil”, informa o secretário, que ainda destaca que as áreas de risco que já sofreram deslizamentos em outros períodos, inclusive na tragédia climática de 2011, são as que mais preocupam nos períodos de chuva. Para isso, a Defesa Civil mantém um monitoramento desses locais com risco remanescente.
Você pode gostar
Comentários