Raoni ao reencontrar Érica, após 20 dias presodivulgação

"Lá o tempo passa muito devagar, foram 24 dias. Foi o pior período da minha vida, mas passou. Agora é olhar pra frente e pensar no meu trabalho, na minha festa de casamento e em ajudar outras pessoas para que elas não passem o que eu passei, para que achem uma luz no fim do túnel".
O desabafo à coluna foi enviado pelo cientista Raoni Lázaro Barbosa, assim que ele foi solto na tarde de ontem e reencontrou sua esposa, Érica Armond e a família.
O preso por engano, a gente sempre tem que analisar cada caso, pra não abrir precedente para pessoas desonestas acabarem se aproveitando do cerceamento da liberdade de inocentes.
O caso de Raoni é muito mais do que isso. Não foi um engano, foi um erro, admitido pela própria polícia. O pedido para a liberdade dele foi feito pela Delegacia de Repressão Ao Crime Organizado (Draco), diante de algo que não se vê: erro de endereço, erro de foto no inquérito… O que levou uma pessoa ficar por mais de 20 dias na cadeia!
E a liberdade dele não significa que ele esteja livre da burocracia, por ter assinado uma entrada no sistema prisional. Algo que ele não assina por crime algum, ele é vítima total!
Então, em casos como por exemplo, um avião cai e a empresa admite o erro e faz uma apuração para que esse erro não se repita, a Polícia Civil a partir do caso Raoni, tem que olhar e ver exatamente que não foi apenas um engano… Engano é diferente de erro!
E é importante destacar que casos como esse também podem servir de palco de generalizações. Cada situação é uma situação. E Justiça é Justiça!
Todo mundo busca por Justiça. E quando a gente fala dela, a gente fala de verdade, transparência, apuração e investigação, principalmente quando a gente trata da vida de uma outra pessoa.