Por nara.boechat

Rio - A Baixada Fluminense vai ouvir hoje, pela primeira vez, os batuques de atabaques do 1° Festival de Cantigas de Terreiro. O evento, que será realizado na Casa de Gondomar, em Queimados, vai apresentar mais de 50 novas cantigas, mostrando que o som dos terreiros pretende ganhar as ruas da cidade.

O concurso, que espera receber público de mais de 600 pessoas, vai premiar a cantiga campeã com a classificação para o Prêmio Atabaque de Ouro de 2014. Participam pessoas de outras cidades e de outros estados. “Um evento como esse, nunca aconteceu em Queimados nem em toda a Baixada. É pioneiro”, explicou o organizador, o advogado, corretor e empresário Fabrícius Custódio de Souza Caravana, de 49 anos, mais conhecido como Pai Fabrício.

Um dos objetivos é o combate à intolerância religiosa. “Queremos tirar o rótulo de satanismo, para que as pessoas olhem a umbanda com mais simpatia”, ponderou.

Queimados promove hoje o 1° Festival de Cantigas de TerreiroPaulo Alvadia / Agência O Dia

A estratégia foi tirar o festival do terreiro e levar para um clube. “Assim, fica mais atraente para quem não conhece. A ideia é tornar as cantigas mais populares”, explica.

O festival, que vai reunir cantigas, ou pontos, somente da umbanda, conta com a presença de Tião Casimiro, de 59 anos, mais conhecido como “Rei da Voz”. Tião, que é compositor de cantos célebres nos terreiros e já venceu outros festivais por 21 vezes, vai presidir a mesa de júri.

Louvor aos orixás

Entre os temas recorrentes das cantigas entoadas durante os cultos, estão o louvor às entidades e pedidos de proteção e ajuda. A pequena Ana Gabriela Batista Lemos entende do assunto.

Com apenas 8 anos, já é uma compositora premiada. Levou o troféu revelação no Festival Infantil, em maio deste ano, com um canto para Iemanjá. “Fiquei nervosa, mas foi legal”, relembra a menina.

Para Pai Fabrício, o poder público deve apoiar eventos, sem distinção, de todas as religiões. “Os terreiros mantêm a tradição de nossos antepassados. Não é uma questão de verdade ou mentira. É uma questão cultural”, define.

Prêmios em dinheiro e em eletrônicos

O festival vai premiar as melhores cantigas nas categorias intérprete, curimba, cantiga, coreografia e torcida, além do troféu revelação e da cantiga da galera, com o som que mais agradar ao público.

Os prêmios vão de aparelhos eletrônicos a quantias em dinheiro. O primeiro lugar vai receber R$ 1.200 e uma TV 32 polegadas; o segundo leva para casa R$ 600 e um notebook e o terceiro sai com R$ 300 e um tablet. Os vencedores das outras categorias não saem de mãos vazias. Também levam troféus e aparelhos eletrônicos.

“Os prêmios serão entregues na hora. Não tem essa de esperar vários dias, não”, garante Pai Fabrício.

O evento conta com barracas de artesanato e venda de roupas típicas. Comidas e bebidas também serão vendidas. Todas as cantigas serão gravadas em CD. Quem quiser levar o festival para casa, poderá comprar o DVD do evento.

Uma família dedicada à umbanda

O evento vai adiantar ainda as comemorações do centenário da Cabana Espírita que Pai Fabrício, ou sacerdote de cultos umbandistas — como prefere ser chamado — preside em Queimados. “Meu avô fundou o centro após receber uma cura na infância. Depois, dedicou a vida a rezar pelas pessoas, que faziam fila para falar com ele”, lembra o religioso, casado com a pedagoga e mãe pequena Valdete Caravana, de 53 anos.

A religião passou pelas gerações até chegar a Fabrício. A força da tradição familiar pode ser vista no nome da rua do terreiro, que leva o nome do pai do religioso, Custódio Caravana. “Aqui, valorizamos a família”, conclui Pai Fabrício.

Ingressos a R$ 10

O 1° Festival de Cantigas de Terreiro será realizado a partir das 14h, na Casa de Gondomar que fica na Rua Amélia 40, no bairro de Fanchen, no Centro de Queimados. Os ingressos custam R$ 10 por pessoa, e as mesas com quatro cadeiras, R$ 30. Menores de 14 anos não pagam.

Você pode gostar