Poesia e música em Nova Iguaçu

Sarau V, que faz um ano este mês, acontece às terças-feiras à noite na Praça dos Direitos Humanos

Por felipe.carvalho

Desde os protestos de junho de 2013, eventos culturais e manifestações artística se tornaram mais expressivos e ocuparam novos espaços na Baixada. Um exemplo é o Sarau V, realizado a cada semana Praça dos Direitos Humanos, às margens da Via Light, em Nova Iguaçu, e que completa um ano este mês.

Toda terça-feira, a partir das 18h, os frequentadores se reúnem por cinco horas para declamar poesias, cantar, fazer apresentações de teatro e conversar sobre um tema. Em cada encontro, pelo menos 100 pessoas participam.

A principal atração, que pode intimidar os marinheiros de primeira viagem, é o ‘Microfone Aberto’. De acordo com uma das fundadoras do Sarau V, Janaína Tavares, o objetivo é dar voz aos moradores da região.

Ela diz que qualquer um que queira falar, ler, cantar ou declamar pode chegar e pegar o microfone. “Damos espaços para todos se manifestarem e contribuírem para o debate. Já rolaram conversas sobre censura, desmilitarização da PM, futebol e por aí vai”, conta Janaína.

Ela explica também que a ideia é circular com o evento por todos os espaços públicos da cidade. Mas, para isso, afirma, é preciso fortalecer as redes já construídas e conseguir recursos. “Ainda não sabemos se com doações, campanha ou editais nos manteremos a longo prazo”, diz.

Toda terça-feira à noite os frequentadores se reúnem durante cinco horas para declamar poesias e conversarDivulgação

A universitária Francy Martins, de 22 anos, nunca perdeu uma edição depois que conheceu o evento. Ela foi levada na primeira vez por uma amiga. “Gostei e nunca mais parei de ir. É muito libertador”, avalia.

A estudante apoia o evento e diz que, a partir da iniciativa, é possível ocupar espaços públicos com eventos que estimulam o diálogo com as pessoas. “A rua é o lugar que escolhemos, que acolhemos, por proporcionar uma arte democrática, onde qualquer um pode ter acesso”, afirma.

Evento ajuda os ‘artistas inibidos’

De acordo com os organizadores, o Sarau V tem ajudado as pessoas inibidas a se expressarem como também a fazer com que a cultura da Baixada seja reconhecida. Um dos exemplos é a doméstica Maria Santos Coutinho, de 40 anos. Depois de 30 anos sem cantar, ela tomou coragem e se apresentou no meio da rua com a música ‘Não Deixe o Samba Morrer’.

Maria diz que foi uma experiência incrível. “Fiquei um pouco tímida na hora, mas depois tudo fluiu”, conta.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia