'Macaé é uma grande vitrine', diz prefeito

Doutor Aluízio diz o que fará para a cidade crescer ainda mais

Por helio.almeida

Rio - O entrevistado desta semana é o prefeito de Macaé, doutor Aluízio (PV). Em seu primeiro mandato à frente do executivo municipal ele acumula ações em prol do desenvolvimento da cidade e ações sociais. Logo no início do governo propôs a redução das passagens de ônibus no município, que custam R$ 1 (um real) desde 1º de março, beneficiando aproximadamente 150 mil pessoas diariamente. A cidade de Macaé completa 200 anos na próxima segunda-feira, 29, com muitos desafios pela frente e o prefeito está de olho, visitando escolas e postos de saúde, quase que diariamente. A programação de aniversário começou na última quinta-feira e segue até segunda-feira, com shows e atividades para todos os públicos.

Prefeito de Macaé%2C doutor Aluízio (PV)%3A 'Estamos empenhados para dar mais qualidade de vida para a população'Divulgação

Como é administrar uma cidade com a importância de Macaé?

Sou filho de Macaé e vi esta cidade crescer. Aqui esta o aeroporto com o segundo maior número de pousos e decolagens de helicópteros da América Latina. A cadeia produtiva do petróleo da Bacia de Campos é a base de crescimento da cidade. Macaé é uma grande vitrine, um grande exemplo, uma região muito rica onde se produz muito. Vale a pena entender esta cidade. Estamos empenhados para dar mais qualidade de vida para a população, qualidade no transporte, na saúde, na educação.

E o que é bom para a população de Macaé?

Eu fico o dia inteiro trabalhando na rua, venho pouco ao gabinete. A população tem saúde, educação, mas que tipo de serviço é oferecido?. É um momento ímpar que estamos vivendo, pois estou diariamente nas ruas, a população precisa ser ouvida. O que é bom para a população é aquilo que ela gosta. Eu vou aos hospitais, postos de saúdes, escolas, eu visito as obras o tempo todo, acompanho de perto o que acontece na cidade e o que ela precisa Fazemos audiências públicas o tempo todo, e acho cada vez mais importante esta aproximação. As manifestações pelo país afora tem mostrado isso. Se pudesse faria tudo, mas precisamos eleger prioridades.

Na educação, quais são seus principais projetos?

Além da valorização dos profissionais. Temos professores extremamente envolvidos com a educação. São muito dedicados e fazem da escola uma extensão de suas casas. Estamos construindo escolas nos bairros São José do Barreto, Cajueiros, São Marcos, Novo Horizonte, Horto e Lagomar e também entregamos, este mês, a escola municipal Afonso Correa Sabino, na Vila Badejo. Vamos entregar todas as unidades ainda este ano. Estamos, aos poucos, substituindo as escolas que funcionam em espaços alugados e nada adequados para a educação. Nossa meta é ter espaços apropriados e com educação integral. Convocamos cerca de 450 concursados só na educação, para garantir este reforço na rede municipal de ensino.

No setor de transportes, foi promessa de campanha reduzir o valor da passagem? A passagem é uma das mais baratas do Estado, custa apenas R$ 1 real em todo o município?

Não, nem foi promessa de campanha e foi bem antes das manifestações tomarem conta das ruas do país. Mas se tem uma coisa que beneficia diretamente o bolso do trabalhador é a passagem de ônibus, o transporte público. Na primeira sessão oficial da Câmara de Vereadores deste ano eu apresentei a proposta, quefoi aprovada por unanimidade e colocada em prática em 1º de março. A passagem a 1 real garante mais economia para as famílias e trabalhadores da cidade. A prefeitura paga o subsídio e beneficia cerca de 150 mil passageiros por dia, sem necessidade de comprovar moradia ou de cadastro especial.

A cidade de Macaé sofre com um problema crônico na área de saneamento básico. Como o Senhor pretende resolver esta situação?

Macaé ganhou em 2013 um novo enfoque com a priorização de obras de infraestrutura para garantir a coleta e o tratamento de esgoto no município. Um exemplo foi a recuperação e o início do funcionamento, no mês de março, da Estação de Tratamento de Esgoto do Mutum que estava pronta desde 2009, mas que nunca havia entrado em funcionamento, e atende ao bairro Mirante da Lagoa. Também estamos recuperando a estação de tratamento Lagomar, que estava desativada, e que passa por estudos e reparos para poder voltar a funcionar. Outras estações de tratamento estão voltando a funcionar. Atuamos, também, no atendimento à população no esgotamento de fossas sépticas, redes de esgotamento e poços de visita, minimizando a falta de recolhimento adequado de esgoto em algumas áreas. Para realizar um planejamento adequado das obras de saneamento, a Prefeitura está fazendo um novo mapeamento do esgoto na cidade para que todo o município tenha esgotamento sanitário com planejamento da coleta ao tratamento.

O senhor é médico, e, como tem desenvolvido o sistema de saúde municipal? Quais são as principais ações no setor?

Precisamos oferecer saúde de qualidade para a população. Uma das áreas prioritárias do nosso governo é a saúde que já conta com o reforço de cerca de 200 profissionais. Este mês convocamos 41 médicos, além de outros profissionaisque atuarão no Hospital Público Municipal e na rede de saúde pública municipal e foram aprovados no Concurso Público realizado ano passado.

Estamos construindo sete novas unidades de saúde. Estamos treinando nossas equipes e estabelecendo parcerias com o Ministério da Saúde para ampliar programas e recursos na área. Além da implantação do tratamento oncológico na cidade, estamos ampliando o programa Saúde na Escola que chegará em mais 15 novas unidades da rede municipal de ensino e terá o número de atividades ampliado. Estamos realizando um mutirão para atender a demanda de exames de saúde. As marcações estão sendo feitas também aos sábados e a previsão é que, em até três meses, todos os usuários do Sistema Único de Saúde que aguardam para realizarem exames sejam atendidos. Enfim, precisamos resolver estes problemas antigos e oferecer atendimento de qualidade para o macaense.

Foi inaugurado recentemente o Espaço de Equoterapia. Como funciona, o serviço é completamente gratuito?

Em seis meses de gestão já conseguimos implantar projetos importantes para a população como oEspaço Passo Amigo de Equoterapia que oferece atendimento para pacientes com sintomas como neuropatias, autismo, síndrome de down, entre outras patologias que necessitem de tratamento. O projeto, que funciona no Parque de Exposições, é uma parceria entre as secretarias de Agroeconomia e de Saúde e todo o atendimento é gratuito com uma equipe multidisciplinar que incluem psicólogos, terapeutas e fisioterapeutas.

Como é a relação da prefeitura de Macaé com os governos estadual e federal?

É muito boa. Aliás, a melhor possível. Independente de partido. Eu fui lá, bati na porta e fui muito bem recebido pelo governador Sérgio Cabral. Estamos na expectativa de assinar um grande pacote de obras em parceria com o governo estadual. Já com o governo federal temos os convênios de praxe, como saúde e educação. Temos um projeto para universalizar o programa de saúde da família em Macaé, isso significa atender toda a população e o Ministério da Saúde tem nos ajudado muito.

Como toda a cidade, Macaé também possui problemas com a mobilidade urbana, como resolver?

Fizemos um Masterplan, um Plano Integrado de Mobilidade Urbana e Logística de Macaé que tem o objetivo de requalificar a malha viária do município para a definição do fluxo das principais áreas de acesso à cidade. A intenção é realizar uma série de ajustes no espaço físico do município que afetam as áreas Ambiental, Social, Saneamento Básico e de Habitação e Urbanização. Dividido em três módulos, o projeto prevê a interligação dos principais vetores viários do município, a BR 101, a RJ 106 (Rodovia Amaral Peixoto) e a RJ 168 (Rodovia do Petróleo), a partir da construção de um grande arco viário que pretende integrar as regiões Norte e Sul de Macaé. O projeto é muito amplo e vai beneficiar muito toda a cidade.

Quando começam as obras?

O ponto de partida do Masterplan, que é um projeto a longo prazo, será o início da construção do Arco de Santa Teresa em meados de 2014, com o apoio do governo do estado. Esta estrutura será para utilização prioritária para veículos de cargas pesadas que, em geral, pertencem à cadeia petrolífera, por outro lado, a população também será beneficiada, já que o trânsito fluirá melhor nas demais vias com impacto positivo na mobilidade urbana.

A cidade tem uma demanda imensa na área petrolífera e existe algum planejamento para construção de um novo porto para Macaé?

Já estamos apoiando um projeto do novo porto de Macaé, chamado de Terminal Logístico de Macaé (Terlom), é um projeto da iniciativa privada. Vamos incentivar grandes investimentos que garantam a estrutura para que a indústria do petróleo permaneça no município, uma vez que é a base da economia local.

E como garantir que a população esteja contemplada com a maioria dos empregos gerados por estas empresas na cidade?

Estamos desenvolvendo um parque tecnológico para desenvolver localmente conhecimento e tecnologia direcionada à área de Petróleo e Gás, de forma a fortalecer a economia e a qualificação da mão de obra do município a partir da integração do governo, academia e empresas. Estamos preparando o cidadão para a Macaé do futuro.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia