Editorial: Desigualdade e corrupção nos paraísos

Muitos governos são cúmplices e geram perdas significativas de receitas fiscais para outros países

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Paraísos fiscais só não são mais antigos que o Éden bíblico. Estão aí há anos e nunca foram segredo. Com o vazamento dos milhões de documentos da Mossack Fonseca, gigante da advocacia e dos negócios, avança-se um pouco mais nesse pantanoso terreno. O DIA mostra hoje algumas das artimanhas supostamente cometidas por figurões dos mais variados quilates e segmentos.

Às vésperas do convescote em Davos, a Oxfam soltou vigoroso relatório sobre concentração de renda, que vem aumentando nos últimos anos. Um dos culpados pelo desequilíbrio era justamente o uso indiscriminado dos paraísos fiscais.

Muitos governos são cúmplices e geram perdas significativas de receitas fiscais para outros países. Agora se tem amplo painel das falcatruas alimentadas por essa rede e quem supostamente se beneficia dela. É utópico e até hipócrita defender acabar com offshores, mas líderes mundiais devem trabalhar para a criação de sistema fiscal global que funcione em prol da maioria.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia