Tudo começou com Pelé

A batida imagem do rei na Copa de 1970 mostra-o majestático, com a serenidade dos que sabem que sabem, condescendente com os súditos, a quem dá passes com frieza de geômetra

Por Roberto Muylaert Editor e jornalista

-

Depois da Copa da Rússia é um alento voltar a falar de Pelé, indo além dos gols que a gente cansa de ver da Copa de 1970.

Antes de Pelé, o Brasil era um país futebolístico mais ou menos como está hoje, com o complexo de vira-latas voltando, e a partir dele, uma porção de subcomplexos, do tipo "eles são grandões", "têm mais cultura geral", "os técnicos são bons estrategistas, mudam o time e a tática quando necessário, enquanto nós ficamos esperando o que vai acontecer, sem alterações".

Em matéria de pontapés, Pelé nunca se queixou de ninguém, apenas marcava o jogador, para devolver a agressão, discretamente.

É bom lembrar o que Pelé fez, para ver que ele foi o jogador que abriu caminho para o Brasil entrar no time dos grandes.

Pelé jogou no momento certo, quando era possível manter no Brasil, durante toda a sua carreira, alguém com aquela categoria. Época em que todo mundo voltava para o Brasil após a Copa. Agora, o pessoal vai descendo aos poucos: Madrid, Barcelona, Frankfurt, Paris

Se fosse hoje, ele teria ido para o exterior aos 17 anos, onde aos poucos poderia perder aquela leveza dos jogadores do Santos, que ganharam tudo que passou pela frente, até jogo contra o Boca Juniors na Bombonera.

Por falar em zagueiro alto, vale a pena transcrever o depoimento de dois jogadores da Itália, derrotada pelo Brasil por 4 a 1, em 1970: Fachetti, zagueiro, descreveu assim o primeiro gol, de Pelé: "Subimos juntos para cabecear, eu e Pelé. A lei da gravidade obrigou-me a descer ao solo. Perplexo, olhei para o alto. Ele permanecia, tal qual helicóptero, tentando a cabeçada. Conseguiu".

Albertosi, goleiro, viu assim o quarto gol do Brasil contra sua meta: "Fixei meu olhar em Pelé. A bola estava em seus pés. Ele não virou a cabeça. Não olhou para trás. Ninguém gritou pedindo a bola. Jogou um pouco atrás. Adivinhou que Carlos Alberto estava chegando. Só os duendes podem explicar o que houve".

A batida imagem do rei na Copa de 1970 mostra-o majestático, com a serenidade dos que sabem que sabem, condescendente com os súditos, a quem dá passes com frieza de geômetra.

Mas quem assistiu aos filmes do Santos jogando na França, logo após a Copa de 58, viu o que nunca mais se repetiria: as tabelinhas-relâmpago de Pelé com Coutinho, que às vezes a gente aplaudia como rei, até dar com o número nove às costas, na virada da comemoração do gol.

Com Pelé na seleção não havia mau tempo.

Galeria de Fotos

Roberto Muylaert, colunista do DIA Divulgação

Comentários

Últimas de Opinião