André Luis Mansur Baptista: Atentados literários

Se você tem livros em casa que não usa mais, que estão lá meio abandonados, sem muita utilidade, cometa também alguns atentados literários, não necessariamente no trem, pode ser no ônibus, no metrô, numa praça, em qualquer lugar onde você sabe que vai passar alguém

Por O Dia

André Luis Mansur Baptista
André Luis Mansur Baptista -

Rio - Costumo deixar livros no trem, mais precisamente nas composições do ramal de Santa Cruz. Quando o trem chega à Central do Brasil, estação final, no Centro do Rio de Janeiro. espero todo mundo sair, tiro o livro da mochila, coloco no canto de um banco e saio, sem olhar para trás. Prefiro essa atitude discreta, pois seria muito desagradável se alguém me cutucasse no ombro lá na frente e dissesse, com a melhor das intenções: "Amigo, esqueceu isso aqui". "Ah, sim obrigado"

Os temas dos livros variam: podem ser de ficção, História, variedades, o que pintar, contando que esteja em bom estado. Fico imaginando a reação das pessoas, se vão gostar, levar pra casa, dar para o filho, ou mesmo deixar de lado. Não sei. O mais fascinante nessa atividade, que já desenvolvo há muitos anos, é exatamente deixar a imaginação livre para saber o destino do livro. Um amigo também já fez a mesma coisa, mas ele acrescentava um pequeno texto no início do livro, quase uma dedicatória, do tipo "Este livro não chegou a você por acaso, trate dele com carinho".

Certa feita vi uma reportagem sobre um grupo que fazia isso, mas em vários lugares, banco de praça, jardim, ônibus, balcões, metrô e trem, entre outros. Chamavam de atentado literário, já que tinha sido algum tempo depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. Embora eu já fizesse o mesmo no trem havia algum tempo, gostei do nome e passei a adotá-lo.

Apenas uma vez meu atentado literário quase não deu certo. Quando o trem chegou à Central, entraram várias pessoas para a viagem de volta, já que era de tardinha, hora do retorno do trabalho. Ia deixar um exemplar da 'Revista de História", da Biblioteca Nacional' (deixo revistas também, às vezes), devidamente lida. Estava com um grupo de amigos, sem saber o que fazer, pois os outros trens já estavam cheios. Por sorte, um dos amigos, bastante extrovertido, pegou a revista da minha mão e, já na saída da estação, quando entrou um rapaz com cara de estudante, entregou a revista para ele e disse, em um tom que não admitiria contestação: "Toma!". O rapaz sorriu e ainda balbuciou um agradecimento, mas já estávamos em um passo rápido e decidido, passo de quem acabou de cumprir uma importante missão.

Se você tem livros em casa que não usa mais, que estão lá meio abandonados, sem muita utilidade, cometa também alguns atentados literários, não necessariamente no trem, pode ser no ônibus, no metrô, numa praça, em qualquer lugar onde você sabe que vai passar alguém. O incentivo à leitura é fundamental para termos um povo mais envolvido com a cultura e essa atitude vai ao encontro da campanha que tem sido veiculada de dar um livro de presente no Natal, uma forma de mantermos as livrarias vivas, com os livreiros conseguindo pagar suas contas, promovendo eventos em seus espaços e, da mesma forma que os atentados literários, espalhando cultura.

Obs: este texto foi escrito dentro do trem, chegando à estação da Central, onde mais um atentado literário seria feito com sucesso.

André Luis Mansur Baptista é jornalista e escritor

Comentários

Últimas de Opinião