Simone Viana - Divulgação
Simone VianaDivulgação
Por O Dia

Rio - Tem sido comum em propostas curriculares e em algumas produções didáticas introduzir a história do cotidiano, a história local, cultura, costumes, lendas, tradições, memórias e vivências dos indivíduos inseridos no meio em que vivem. Nessa perspectiva, há múltiplas realidades, formas de viver e dar sentido à vida; pois cada indivíduo ao nascer, vai sendo construído enquanto ser humano inserido no meio em que vive. Seu fazer e pensar, seus saberes e representações são fundadas em dimensões materiais e simbólicas, construídas nas práticas do cotidiano e cultura de sua vida, marcada pela temporalidade.

É fato, que a cultura é plural, implica sujeitos, valores, manifestações artístico-culturais e materiais, imaginário social, identidade, conhecimento, relações de poder, religião, etc. Um país que se preocupa em valorizar a cultura, configura em oportunizar ao cidadão múltiplas formas de ler, de sentir, de viver; definindo a maneira de ser e de agir do indivíduo como sujeito de sua própria história. Se faz necessário, atualmente a valorização de nossa cultura, através da Literatura, História, Sociologia, Filosofia, Ciências Sociais e Humanas, instigamos e possibilitamos o pensar, repensar e reinventar de nossas concepções e reflexões sobre a realidade em que vivemos.

 Hoje é comemorado o Dia da Literatura Brasileira, uma homenagem ao aniversário de um dos mais importantes autores do Romantismo Brasileiro, José de Alencar. Podemos enfatizar o seu grande legado. Suas obras são referências para o processo de construção da identidade e cultura do povo brasileiro. São obras que dialogam na construção da leitura de mundo do indivíduo, pertencente a uma nação; através de suas obras e de tantas outras obras literárias que possuímos, de grande importância para a Literatura Brasileira, proporciona uma nova forma de ver e ensinar Cultura, aprimorando a vida social e cultural de todos nós, desafiando-nos para que percebamos que o mundo pode ser mudado, transformado, reinventado.

Nesse sentido, a História cultural de um povo, oportuniza a todos nós inseridos ou não no contexto escolar, a buscar nossas raízes; ser agente ativo na sociedade, um sujeito capaz de pensar e transformar, pertencente a uma identidade cultural, exercendo nossa plena cidadania.

Simone Viana é professora e pesquisadora.

Você pode gostar
Comentários