Rejane Nóbrega: Arte, ciência e tecnologia

A revolução digital da informação e comunicação mudou a sociedade, agora com outras formas de nos relacionarmos, com outras e mais perspectivas na educação, na cultura, no jeito de produzir e consumir

Por O Dia

opina6jun
opina6jun -
Rio - Imagine uma programação que mistura arte, ciência e tecnologia? E então pense como o Sesc RJ faz isso? E por que? E pra que? São sempre as perguntas que movem o conhecimento. A ciência, a tecnologia e a arte transformam o nosso olhar sobre o mundo.

A revolução digital da informação e comunicação mudou a sociedade, agora com outras formas de nos relacionarmos, com outras e mais perspectivas na educação, na cultura, no jeito de produzir e consumir. São muitos os novos cenários.

E é pensando nisso que o Sesc RJ propõe pensar sobre o conhecimento. E conhecê-lo. E entrar em contato com as possibilidades de se expressar a partir das ferramentas da tecnologia digital, seja em uma perspectiva de produção compartilhada de conteúdo ou projetos, ou por meio da qualidade das relações propostas, agora menos hierarquizadas e mais colaborativas, solidárias e afetivas.

A partir do uso de ferramentas digitais e não digitais, integradas à cultura do “faça você mesmo” - inclusiva e ecológica, que propõe adaptar, improvisar e encontrar soluções cotidianas criativas, nós temos exposições, oficinas, apresentações, exibição de vídeos, rodas de conversa, etc. São programações que acontecem todos os meses em 14 das 22 Unidades do Sesc, no Estado do Rio. A ideia é estimular o desenvolvimento de narrativas inovadoras e também criar condições para formar novos públicos.

E os assuntos são variados e integrados: tem instalação de dinossauro com realidade aumentada, observação do céu com telescópio e sessões de planetário, atividades que misturam ciência e cinema, rodas de conversas com mulheres cientistas, discussões sobre o papel e o impacto das redes digitais relacionados aos temas sociais como racismo e todos os tipos de preconceitos versus direitos humanos, ciência e literatura fantástica, quadrinhos e ficção científica. Quando falamos ou usamos arduino, games, robótica, a proposta é que todos sejam consumidores ativos. Não é só jogar, é saber como faz, e conhecer quem faz, é fazer!

Neste sentido, estabelecer ligações entre as ciências e as diversas linguagens da arte, entre as ciências e a cultura, significa incentivar a reflexão sobre o conhecimento, a partir da (imprescindível) alegria! Nossa programação é sempre um convite para participar, mas também para propor ideias e projetos.

Consideramos públicos de todas as idades, fortalecendo a criatividade e o prazer do fazer junto a partir das tecnologias em rede, dos conteúdos compartilhados e das ferramentas digitais, atualmente bastante acessíveis. Nossa premissa é oportunizar criações coletivas e discutir os hibridismos na arte, na cultura, na tecnologia e na educação. Assim, acreditamos que o desafio maior para uma forma de estar no mundo mais ética, sustentável e menos desigual está na diversidade do pensamento.
Rejane Nóbrega é analista de Educação do Sesc RJ

Galeria de Fotos

Rejane Nóbrega Divulgação
opina6jun arte o dia

Comentários