Além de cobrar a regularização dos serviços, o Procon/Petrópolis-RJ vai encaminhar as mais de 300 reclamações para a representação estadual do órgão de defesa do consumidor - Luiz Freitas
Além de cobrar a regularização dos serviços, o Procon/Petrópolis-RJ vai encaminhar as mais de 300 reclamações para a representação estadual do órgão de defesa do consumidorLuiz Freitas
Por O Dia
Petrópolis - O Procon/Petrópolis-RJ diligenciou um pedido de regularização do serviço de entrega de encomendas na cidade à superintendência estadual dos Correios. Desde o início do mês, o órgão de defesa do consumidor recebeu mais de 300 denúncias de atrasos e, por isso, vem cobrando atuação dos correios na solução do problema. Em resposta ao Procon/Petrópolis-RJ, a gerência de distribuição dos Correios no Estado, informou que convocou novos funcionários e que irá trabalhar para normalizar a situação nos próximos dias.

A coordenadora do órgão de defesa do consumidor, Raquel Motta, fez contato com a gerente de distribuição estadual dos Correios, Úrsula Ferreira, na tarde da última quarta-feira. “Ela esclareceu que com a convocação dos funcionários, a tendência é normalizar o atendimento até sexta-feira. Disse também que vai buscar regularizar em especial a situação das entregas em Petrópolis, considerando o pedido do Procon municipal. O que pedimos é que mais pessoas atuem na Central de Distribuição no bairro Mosela e que seja normalizado o atendimento. Caso a situação não seja normalizada, os Correios será autuado”, informa Raquel.

No dia 10 de abril, a coordenadora do Procon/Petrópolis-RJ fez contato com o gerente da unidade de distribuição no município, que informou que a unidade sofreu uma redução no quadro de funcionários, por estes fazerem parte do grupo de risco para a Covid-19. No dia 15, foram 60 reclamações de produtos essenciais (como medicamentos, por exemplo) entregues por meio de ofícios à gerência da unidade.

No mesmo dia, encaminhamos um pedido de esclarecimentos para a superintendência estadual, já que nos foi relatado pelo gerente do CDC na Mosela, que encomendas internacionais e do serviço PAC estavam represadas no Centro de Entrega de Encomendas – CEE, que fica no bairro Benfica, na capital. Desde então, apenas uma parte dos consumidores retomaram o contato com o Procon para informar que as encomendas haviam sido entregues”, revela Raquel. 

Além de cobrar esclarecimentos e a regularização dos serviços, o Procon/Petrópolis-RJ vai encaminhar as mais de 300 reclamações de denúncias em atraso na cidade para a representação estadual do órgão de defesa do consumidor.

Entendemos que serviço de entregas de encomendas é fundamental nesse momento de pandemia. Porque possibilita que as pessoas fiquem em casa, como recomendam as autoridades de saúde pública. Um reconhecimento feito pela própria Presidência da República, que assinou, no dia 20 de março a Medida Provisória 926 e o decreto 10.282/20, que ratifica em seu artigo 3º os Serviços Postais como essenciais, reforçando o compromisso com a população em prover soluções de comunicação e logística’”, completa a coordenadora do Procon/Petrópolis-RJ.