O paciente fez uso da Hidroxicloroquina após o décimo dia de tratamento, o que, talvez, tenha colaborado com sua recuperação - Divulgação/Vinícius Marques
O paciente fez uso da Hidroxicloroquina após o décimo dia de tratamento, o que, talvez, tenha colaborado com sua recuperaçãoDivulgação/Vinícius Marques
Por Ney Freitas
Petrópolis - Ele tem 34 anos e, hoje, se recupera de um susto. Há exatos trinta dias, Rafael Marques Louro deu entrada às pressas no setor de emergência de um hospital particular da cidade com suspeita de infecção pelo Coronavírus. Ele foi levado pelo próprio primo, o enfermeiro Vinícius Marques, responsável pelo primeiro atendimento. Segundo Vinícius, seu quadro de saúde já apresentava baixa saturação de oxigênio devido à falta de ar. “Verifiquei a saturação de oxigênio e percebi que alguma coisa estava errada. Ouvindo os pulmões também tive sinais de possível infecção. Só tive tempo de colocar o Rafael no carro e levá-lo ao hospital”, disse. Seus sintomas eram falta de ar, febre alta, tosse seca e dores pelo corpo. Minutos após o diagnóstico, Rafael foi encaminhado à UTI. Começava, ali, uma angústia de 28 dias.
Publicidade
O paciente deu entrada na Unidade de Terapia Intensiva do hospital com grave síndrome respiratória e, segundo a equipe médica responsável pelo atendimento, chegou a fazer uma parada cardiorrespiratória no mesmo dia. Relatos do primo que o acompanhou durante todo o tratamento afirmam que muitos já não tinham mais esperanças. “Ouvi de outros amigos de profissão que apenas um milagre seria capaz de tirar o Rafael da UTI. O quadro dele se agravou demais após a internação e a família entrou em desespero. Graças a Deus o milagre acabou acontecendo e ele conseguiu voltar para casa”, disse.
Ao saber da notícia, o prefeito Bernardo Rossi ficou entusiasmado. “Fico imensamente feliz em saber que ele teve alta e já se encontra em casa junto à família. A cidade inteira estava comentando sobre o caso dele. Muitas pessoas preocupadas com ele. Que ele seja o exemplo de garra e esperança aos demais que ainda se encontram numa situação ruim. Temos feito o possível e o impossível para proteger a população, mas não podemos lutar sozinhos. Continuamos pedindo para que todos se previnam, lavem as mãos, usem o álcool em gel, evitem aglomerações e permaneçam fazendo seu isolamento social”, disse o prefeito Bernardo Rossi.
Publicidade
Rafael teve acompanhamento 24 horas por dia da equipe médica. Pouco a pouco seu quadro se estabilizou e, após 26 dias, ele foi transferido da UTI para um quarto. O paciente fez uso da Hidroxicloroquina após o décimo dia de tratamento, o que, segundo alguns, tenha colaborado com sua recuperação. Ainda emocionado e fragilizado, ele pede, em vídeo, para que as pessoas se previnam e tomem os cuidados necessários contra a doença. Segundo a família, ele vai passar por tratamento com fisioterapeutas para se readaptar às tarefas diárias, como caminhar, se alimentar e tomar banho. "Aos poucos ele volta a ser o Rafael de sempre. Temos esperanças de que o futuro traga boas notícias. Realmente, não era a hora dele", finalizou o primo.