Em quase 80% dos casos, mulheres têm laço afetivo com agressores

Quando existe dependência financeira ou pouco acesso à informação, o número de vítimas dispostas a procurar ajuda ainda é pequeno

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Branca, escolarizada, católica e financeiramente independente. O perfil das assistidas pelo Núcleo de Defesa dos Direitos da Mulher Vítima de Violência (Nudem) da Defensoria Pública subverte o estereótipo das classes menos favorecidas e comprova a “democrática” realidade da violência de gênero. Outro dado ratifica um alerta incessante: o agressor, na maioria das vezes, tem ou teve algum laço afetivo com a agredida. Nada menos que 77,5% dos casos foram protagonizados por seus companheiros, maridos, namorados ou ex.

Dos 940 atendimentos realizados no ano passado pelo Nudem, 19,9% correspondem a mulheres que residem na zona sul, 32% possuem o ensino médio completo, 53% se autodeclararam de cor branca e 45% possuem renda familiar de até três salários mínimos por mês. Sessenta e seis por cento das mulheres são independentes financeiramente, o que mostra que o fator econômico não livra ninguém de ser alvo das agressões (clique aqui para ver a íntegra do levantamento). Outra leitura sugere que, quando existe dependência financeira ou pouco acesso à informação, o número de vítimas dispostas a procurar ajuda ainda é pequeno.

– O dia internacional da mulher é um importante momento de reflexão, de revisão de conceitos e de posturas da sociedade que ainda é muito machista e que violenta e mata diariamente muitas mulheres em todo o país –, afirma Arlanza Rebello, coordenadora do Nudem, que está completando 18 anos de atuação este ano.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia