Criadouro de mosquitos na área do Ministério da Saúde

Centro do órgão de combate ao mosquito Aedes aegypti tem água parada em bote. Após flagrante do DIA, será feita limpeza

Por gabriela.mattos

Rio - Em visita ao Rio de Janeiro, semana passada, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, repetiu que o Brasil tem sido ‘protagonista’ no combate à dengue e no desenvolvimento de pesquisas para exterminar o mosquito Aedes aegypti. O problema é que a gestão pública esquece de olhar para o próprio quintal. No último domingo, O DIA flagrou um potencial criadouro do mosquito, onde menos se esperava: num bote motorizado da Polícia Federal cheio de água parada, guardado no pátio do Centro Cultural do Ministério da Saúde, na Praça Marechal Âncora, nº 95, no Centro. No local, também funciona o Núcleo Especial de Polícia Marítima.

O flagrante acontece três dias depois da visita da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Saúde à cidade que vai sediar a Olimpíada. O Rio foi escolhido pela presidente para o lançamento da campanha nacional de combate ao Aedes, que causa a dengue, zika e chikungunya.

Bote da Polícia Federal concentra água no pátio do ministérioLeandro Mazzini / Agência O DIA

Na quinta-feira, Dilma anunciou investimentos de R$ 10,4 milhões para a Fiocruz desenvolver vacina que elimine a doença. Outras duas embarcações estão no local, mas inclinadas no pátio, na base usada pela PF na área interna do prédio de propriedade do Governo Federal no Rio, na Praça XV. No domingo pela manhã, quando foram feitas as imagens, não havia segurança na guarita, e o pátio é cercado. Na região, a prefeitura realiza obras de revitalização do Centro e não há grande movimento de pedestres e motoristas.

Em nota, o Centro Cultural do Ministério da Saúde informou que a área se encontra em obras para a reabertura da unidade no segundo semestre deste ano. O órgão acrescentou que é feita limpeza diária, vistorias regulares por agentes de combate a endemias para impossibilitar o surgimento de qualquer foco do mosquito. Segundo o órgão, desde o início da mobilização, nenhum ponto de água parada foi encontrado no espaço.

O Centro Cultural disse que “de qualquer forma, estamos programando para terça-feira mais uma mobilização no prédio do CCMS”. A Polícia Federal informou que a área é monitorada permanentemente para evitar a proliferação de focos do mosquito. Os agentes também vão participar hoje da ação de combate.

Reportagem do colunista Leandro Mazzini

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia