Polícia teria começado tiroteio, diz família de menino de 14 anos morto

Vítima de bala perdida, João Vítor foi enterrado nesta segunda-feira, no Cemitério São Miguel, em São Gonçalo

Por gabriela.mattos

Rio - Em meio às lágrimas, um grito de “justiça” marcou o sepultamento do menino João Vitor, de 14 anos, vítima mais recente de bala perdida em São Gonçalo. Foi a segunda criança baleada na região em apenas uma semana. A primeira, Ana Beatriz, de 5 anos, morreu na quinta-feira. Nesta segunda-feira, cerca de 300 pessoas, entre amigos e familiares, se despediram de João Vitor, no Cemitério São Miguel, no município. Após o velório, um protesto provocou o fechamento da Rua Dr. Nilo Peçanha.

Familiares acusam policiais de entrarem atirando na comunidade Maíra Coelho / Agência O Dia

Familiares acusaram a Polícia Militar de entrar na comunidade já atirando, sem se importar se há crianças próximas ao local. “Até os bandidos respeitam mais nossos meninos do que os policiais”, denunciou uma senhora. O comandante do 7º BPM (São Gonçalo) esteve no local e negou a acusação, dizendo que não houve disparo. Um suspeito foi preso, com pistola 9mm.

A banda da escola, onde João estudava e integrava o grupo, prestou uma homenagem. Na saída, a mãe, Carla Costa, teve que ser amparada. “Espero que todos se lembrem dele não por uma bala na cabeça, mas pelo amor que cultivou”, pediu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia