Arquivos da CSN referentes à ditadura serão abertos

Ministério Público deu prazo de 180 dias para empresa tornar público os documentos

Por gabriela.mattos

Rio - O Ministério Público Federal (MPF) determinou nesta quarta-feira que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda, entregue, num prazo de 180 dias, ao governo municipal, todos os arquivos que possui referentes ao período da ditadura militar, “ em favor do direito e da verdade”. Segundo a ordem, documentos referentes ao tempo em que a empresa era estatal (de 1941 a 1993) são públicos.

Em nota, a CSN informou que não vai comentar o assunto. De acordo com o MPF, o município deverá estruturar, em 90 dias, o atendimento e análise do acervo por meio de recursos humanos e materiais, e disponibilizar, no prazo de 120 dias, um espaço adequado para recepção e organização dos documentos. Tudo para permitir, em 210 dias, o acesso público ao acervo.

Segundo o procurador da República Julio José Araujo Junior, que assina a determinação, a disponibilização pública do acervo “é relevante para contar a história de Volta Redonda” e as violações ocorridas durante a ditadura. “Houve a cooperação da empresa quando do trabalho de investigação da Comissão da Verdade Dom Waldyr Calheiros e o objetivo agora é assegurar a entrega do acervo ao município”, afirmou Júlio.

Relatório da Comissão da Verdade%2C que resultou na decisão do MPF%2C foi entregue na Câmara de Volta RedondaFrancisco Edson Alves / Agência O Dia

A comissão concluiu que a CSN “contribuiu para a política de repressão na ditadura militar, perseguindo e demitindo funcionários por suas convicções ideológicas”. E ainda espionou moradores que não tinham ligação direta com a empresa. O relatório final, que constatou e analisou documentos mantidos sigilosamente pela CSN, tem 577 páginas e foi entre a representantes do Centro de Memória da Universidade Federal Fluminense (UFF).

O relatório havia sugerido que a empresa tornasse público “milhares de páginas de espionagens de cidadãos”, da antiga Assessoria de Segurança e Informação (ASI) e do Departamento de Segurança da Usina (DSU), órgãos da CSN ligados, segundo evidências, ao SNI (Serviço Nacional de Informações).

“A CSN, além de demitir 77 sindicalistas, que foram presos e torturados, sem que houvesse condenação deles em IPM (Inquérito Policial Militar), também dispensou, por terem participado de manifestações contra o Golpe de 64, outros 113 trabalhadores”, revelou Edgard Bedê, historiador e relator do documento, que se debruçou sobre 14 casos de torturas e mortes no então 1º Batalhão de Infantaria Blindado (BIB), em Barra Mansa. O relatório tem ainda 20 recomendações, entre elas, que William Fernandes Leite, 22 anos, Valmir Freitas Monteiro, 27 , e Carlos Augusto Barroso, 19, assassinados pelo Exército na histórica greve de 1988, sejam incluídos na lista de mortos da ditadura

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia