Protesto paralisa o Museu do Amanhã

Desempregados do Comperj ocupam o espaço por quatro horas para cobrar direitos trabalhistas e a retomada das obras

Por thiago.antunes

Rio -  Um dos principais cartões postais do Rio de Janeiro, o Museu do Amanhã, na Praça Mauá, foi ocupado nesta sexta ao meio dia por cerca de 100 trabalhadores demitidos do Comperj, que reivindicavam pagamento de direitos e retomada das obras.

As visitas foram suspensas por mais de quatro horas, mas não houve maior transtorno aos turistas que pretendiam conhecer o museu, já que não havia as filas intermináveis dos fins de semana, verificadas desde a abertura do espaço, em dezembro de 2015. Em março do ano passado, os trabalhadores do Comperj fecharam a Ponte Rio-Niterói, causando, na ocasião, um grande engarrafamento na cidade.

PM cercou o local%2C que ficou fechado por quatro horas para visitação. Manifestantes levaram suas famíliasJoão Laet / Agência O Dia

Exibindo faixas e cartazes, os desempregados do Comperj levaram mulheres e filhos, entraram no museu e exigiram a presença de representantes do governo e da empresa para negociar, o que não foi atendido. Policiais militares e guardas municipais cercaram o museu. Não houve confronto e a manifestação terminou pacificamente pouco depois das 16h.

De acordo com os organizadores do movimento SOS Emprego, foi escolhido um ponto de grande visitação de pessoas para chamar a atenção do governo e da população para a gravidade da situação dos cerca de 3 mil trabalhadores demitidos pela Alumini Engenharia (ex-Alusa), que está em recuperação judicial desde janeiro de 2015 e é uma das empresas envolvidas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Moradoras de Porto Alegre, as gaúchas Therezinha Flores, de 79 anos, Ione Queiróz, 72, e Ivone de Queiróz, 83, apoiaram a manifestação. “Uma pena que não pudemos entrar, mas voltaremos assim que puder”, garantiu Therezinha, que alegou que os altos preços das passagens vão adiar um pouco a viagem de volta ao Rio. Já Cristiana Leite, 45, e Frederico Mesquita, 56, moradores de Natal, no Rio Grande do Norte, não desanimaram e prometeram voltar ao museu ainda hoje. 

Impasse nas negociações

As negociações entre trabalhadores e direção da Alusa no Ministério Público do Trabalho (MPT) estão num impasse há mais de um ano. As obras do Comperj foram interrompidas em novembro de 2014 e os funcionários, demitidos em janeiro de 2015. “Os trabalhadores não aguentam mais essa indefinição e o descaso por parte da empresa, do governo e da Justiça”, disse Leopoldo Cunha da Silva, o Léo Ceará, um dos organizadores do ato.

As obras no Comperj foram afetadas pela crise desencadeada pela Lava Jato. Com a indefinição, disse Ceará, trabalhadores estão sem receber salários e não tiveram baixas nas carteiras de trabalho, o que os impede de buscar novos empregos. Com a rescisão, eles poderão sacar o FGTS e requerer o seguro-desemprego, informou Ceará. A reportagem tentou entrar em contato com a Alumini até o fechamento da edição, mas não obteve sucesso.

Obras devem ser retomadas ainda este ano

O governo deve lançar novas licitações para retomar as obras de duas unidades do Comperj. Estima-se que as novas atividades na construção do complexo vão gerar 5,5 mil empregos até o fim do ano. Atualmente, 6 mil trabalhadores ainda atuam no empreendimento, que já chegou a ter 30 mil pessoas empregadas no pico das obras.

Além da construção da Unidade de Processamento de Gás Natural, também devem ser relançadas as licitações para a construção da Central de Utilidade, que será responsável pelo fornecimento de água e de energia destinadas ao empreendimento em Itaboraí. A expectativa é que a unidade entre em produção no quarto trimestre de 2018, no mais tardar no primeiro trimestre de 2019.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia