Mais de 4 mil mulheres foram vítimas de estupro em 2015 no Rio, revela dossiê

Relatório elaborado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou dados nesta sexta-feira. Esta é a 11ª edição do dossiê

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - O Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou, nesta sexta-feira, a 11ª edição do Dossiê Mulher, com os dados estatísticos de 2015 sobre os principais crimes sofridos pelas mulheres. Segundo o documento, 4.128 mulheres foram vítimas de estupro somente no ano passado, com um caso do fato consumado ou a tentativa a cada duas horas. 

O dossiê também tem dados de lesão corporal dolosa, ameaça, estupro, tentativa de estupro, homicídio doloso, entre outros, todos os tipos de violência sofrido por mulheres. Este ano outros dois novos fenômenos silenciosos foram adicionados: assédio sexual e importunação ofensiva ao pudor. Agora também é apresentada a análise sobre o perfil dos acusados, com relação ao grau de instrução, ocupação e faixa etária.

LEIA: ONG referência no atendimento a vítimas de violência sexual pode fechar Segundo o relatório, os crimes de violência sexual são aqueles que mais afetam as mulheres, que são 85% das vítimas. Das 4.612 mulheres vitimizadas ano passado, 4.128 foram estupradas e 484 sofreram a tentativa. Em relação a 2014, os números tiveram uma redução de 12,6% e de 17,4%, respectivamente.

A violência sexual tem como vítimas preferenciais as jovens, em especial as crianças e as adolescentes: 45,1% delas tinham menos de 14 anos e 65% dos casos ocorreram dentro de alguma residência.

Homicídios

Ainda de acordo com a publicação,  no ano passado 360 mulheres foram vítimas de homicídio doloso no estado e 16,7% dos casos desses homicídios eram resultados de violência doméstica ou familiar. Quinze por cento das autorias foram atribuídas a companheiros e ex-companheiros e 35% dos homicídios de mulheres ocorreram no interior da residência. Houve, praticamente, uma mulher assassinada por dia no estado.

Em 2015, 49.281 mulheres sofreram lesão corporal dolosa. Nesses casos também prevalece a violência doméstica ou familiar: 63,2% foram praticadas por companheiros e ex-companheiros e 61% das agressões, dentro da residência. No ano passado, a cada 11 minutos uma mulher foi agredida no estado.

Quanto aos novos dados de assédio sexual e importunação ofensiva ao pudor, em 2015 pelo menos duas mulheres por dia procuraram uma delegacia policial para registrar algum tipo de assédio sexual. O tratamento legal adotado no momento do registro das ocorrências mostra que 72,4% dos casos de assédio sexual e 83% dos casos de importunação ofensiva ao pudor foram tipificados na Lei nº 9.099/95, que trata dos crimes de menor potencial ofensivo.

O Dossiê Mulher tem como objetivo principal fornecer elementos de contextualização da violência contra a mulher no estado do Rio de Janeiro. O relatório analisa dados de cinco tipos de violência: física, sexual, psicológica, patrimonial e moral. Com isso, espera-se embasar argumentos, subsidiar políticas públicas, instigar investigações ainda mais aprofundadas sobre a temática e melhorar os esforços para a produção de estatísticas relacionadas à violência de gênero de forma padronizada e comparativa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia