Mulher que estava com PM executado não resiste e morre em Nova Iguaçu

Adriele foi atingida por um tiro de raspão na cabeça. Segundo testemunhas, quatro homens atiraram no casal nesta tarde

Por gabriela.mattos

Rio - A mulher que estava com o subtenente da PM que foi assassinado a tiros, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, Manuel Primeiro Lisboa, não resistiu e morreu na noite desta sexta-feira. Adriele de Carvalho do Carmo, de 30 anos, estava com o PM nesta tarde, quando os dois foram alvo de disparos. Segundo testemunhas, quatro homens em um carro efetuaram os tiros e mais de 20 cápsulas foram encontradas no chão. 

Policial estava acompanhado pela mulher quando foi abordado pelos bandidos%2C que fizeram vários disparosDivulgação

De acordo com o 20º BPM (Mesquita), o carro do policial, conhecido como Primo e que era pré-candidato a vereador, foi atingido por pelo menos oito disparos. A PM foi acionada e isolou o local. Adriele foi levada inicialmente para a UPA de Cabuçu e, posteriormente, para o Hospital da Posse. Segundo a assessoria da unidade de saúde, Adriele foi atingida de raspão na cabeça e passou por uma cirurgia. No entanto, ela não resistiu. Primo seria morador de Queimados e deixou um filho.

?LEIA MAIS: Policial militar é assassinado em Nova Iguaçu

A Polícia Civil também foi chamada para a realização da perícia e a Delegacia de Homicídios da Baixada vai investigar o caso. As circunstâncias e motivação da morte ainda são desconhecidas. Primo tinha 52 anos e estava há 31 anos na corporação. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia