Turistas foram principais alvos de furtos nas duas semanas de Jogos

Mais de 320 visitantes tiveram dinheiro furtado no período entre 4 e 18 de agosto em bairros da Zona Sul

Por tabata.uchoa

Rio - Com um público extra de quase 1 milhão de pessoas na cidade para a Olimpíada, o número de furtos e roubos deu um salto nas duas semanas dos Jogos. O DIA teve acesso aos registros de ocorrência das delegacias das áreas onde ocorreram as competições da Rio 2016, entre os dias 4 e 18 de agosto. Um balanço oficial ainda deverá ser divulgado pelo ISP (Instituto de Segurança Pública).

Pelos dados, a Zona Sul apresentou o maior número de ocorrências de furtos — quando um bem é subtraído sem violência. No período, nos bairros de Copacabana, Leblon, Ipanema, Gávea e Botafogo foram registrados 1.801 casos desse crime contra 266 do mesmo período de julho. O número representa um aumento percentual de 577%.

Mais de 320 visitantes tiveram dinheiro furtado no período entre 4 e 18 de agosto em bairros da Zona SulAgência O Dia

Entre as classificações de furtos, nas duas semanas analisadas de agosto, o item furto de dinheiro de turistas foi o que fez mais vítimas nestes bairros: 326 registros, enquanto os moradores realizaram 183 queixas oficiais na categoria furto a transeuntes.

Já no crime de roubo, residentes no Rio foram os principais alvos dos criminosos, com 116 ocorrências. Nas delegacias dos bairros, 26 turistas prestaram queixas de assalto. A Delegacia de Atentimento Especial ao Turista, que centraliza esse tipo de crime, ainda não divulgou seus dados.

Na 19ªDP (Copacabana), duas tentativas de homicídio foram registradas: uma no dia 4 de agosto, véspera da abertura dos Jogos, e outra no dia 12.

Na 16ª DP (Barra da Tijuca), delegacia da Zona Oeste onde fica o Parque Olímpico, o número de roubos e furtos não variou muito no período. Segundo um inspetor da unidade, isso pode ter ocorrido devido aos espectadores desembarcarem praticamente direto na entrada das arenas pelo corredor do BRT, distante cerca de 250 metros da entrada do Parque. No trajeto há militares da Força Nacional e policiais. O aparato policial também pode explicar a queda no número de assaltos no bairro — foram quase dez casos a menos.

O crime de cambismo, porém, foi alto na Barra da Tijuca. Segundo o delegado Ricardo Barbosa, coordenador do Núcleo de Apoio a Grandes Eventos (Nage), foram 21 casos de cambistas detidos até o dia 14 de agosto. Entre as prisões mais emblemáticas realizadas pelo núcleo está a do integrante do Comitê Olímpico Internacional, Patrick Hickey.

Nas delegacias de Ricardo de Albuquerque e Realengo, unidades localizadas perto da Vila Militar, ocorreu um aumento no número de furtos (29 casos a mais), mas os roubos praticamente mantiveram o mesmo índice (cerca de 300 registros).

Na 19ªDP (Tijuca), unidade no perímetro do estádio do Maracanã, foram registrados 205 crimes ao patrimônio nas duas primeiras semanas de agosto.

Nove estrangeiros foram levados para o presídio durante os Jogos

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) informou que nove estrangeiros foram presos e ingressaram no sistema prisional do Estado desde o dia 5 de agosto, início dos Jogos, até a última sexta-feira, dia 19. O crime de venda de ingressos foi o motivo que mais levou estrangeiros para a cadeia.

A Seap afirmou que ingressaram no Complexo de Gericinó Kevin James Mallon (cambismo), Brayan Stiven Munevar Vargas (furto), Hecham Mouhdi (cambismo), Alexis Zelensky (cambismo), Marco Antônio Ojeda Peña (furto), Williams Teodoro Torres Toledo (furto), Patrick Joseph Hickey (cambismo).

Os boxeadores Hassan Saada, do Marrocos, e Jonas Junius, da Namíbia, foram presos acusados de estupro e depois liberados com Habeas Corpus. Na última sexta-feira, atletas da República de Fiji foram acusados de constrangimento ilegal a duas camareiras e terão que pagar por perturbação do sossego.

Sem incidentes graves, a Rio 2016 pretende terminar sem atos de violência os Jogos. Para isso, na maratona de amanhã, o Ministério da Defesa solicitou um esquema especial de segurança: militares das Forças Armadas vão policiar o trajeto. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia