Coronel da PM morto a tiros é enterrado

Ele participaria hoje do julgamento sobre o Fundo de Saúde da PM

Por gabriela.mattos

Rio - Assassinado anteontem com pelo menos sete tiros no Centro de Maricá, o coronel Ivanir Linhares Fernandes Filho, de 49 anos, um dos juízes da Auditoria da Justiça Militar que participaria hoje do julgamento sobre o Fundo de Saúde da PM, um dos maiores escândalos de corrupção da corporação, foi substituído ontem pelo coronel Vinicius Lopes Costa. Ele atuava no processo sobre a compra forjada de 75 mil litros de ácido peracético — que esteriliza material cirúrgico — no valor de R$ 4,4 milhões para o Hospital Central da PM, além da aquisição irregular de 200 aparelhos de ar-condicionado.

Hoje, a audiência seria sobre o processo sobre a compra forjada do ácido peracético. Linhares foi sepultado ontem à tarde, no Cemitério Parque Nycteroy, em São Gonçalo. A vítima era subcomandante do 4º Comando de Policiamento de Área (CPA), e estava em uma viatura administrativa da corporação com o sargento Luiz Cláudio Carvalho da Silva, 44, que foi atingido oito vezes. O caixão com o corpo do PM, que recebeu honras militares e da Maçonaria, foi guiado por um capelão e pelo comandante do 4º Comando de Policiamento de Área, coronel Danilo.

O sargento baleado continua internado e foi ouvido ontem novamente pela Polícia Civil, que trabalha com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte). O secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, disse que pedirá ao governo federal que mantenha as tropas no Estado do Rio.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia