Crivella cresce e Pedro Paulo empata com Freixo, aponta Ibope

Flávio Bolsonaro e Jandira Feghali aparecem em terceiro lugar com 8%. Mil eleitores foram entrevistados para a pesquisa

Por gabriela.mattos

Rio - O candidato Marcelo Crivella (PRB) segue na liderança das pesquisas de intenção de voto para prefeito do Rio. Segundo levantamento feito pelo Ibope e divulgado nesta quarta-feira pela Rede Globo, o senador subiu de 27% para 31%, seguido por cinco candidatos que estão tecnicamente empatados: Marcelo Freixo (Psol) e Pedro Paulo (PMDB), com 9%; Flávio Bolsonaro (PSC) e Jandira Feghali (PCdoB), com 8%; e Indio da Costa (PSD) com 7%.

Carlos Osorio (PSDB) é a opção de 3% do eleitorado, enquanto Alessandro Molon (Rede) e Cyro Garcia (PSTU) têm, cada um, 1%. Brancos e nulos equivalem a 14% dos entrevistados, e 4% não responderam ou não souberam responder. Carmen Migueles (Novo) não chegou a 1% e Thelma Bastos (PCO) não registrou sequer um voto.

O instituto avaliou três cenários para o segundo turno. Contra Marcelo Freixo, Crivella teria 52% dos votos, vencendo o candidato do Psol, que somaria 26% — pouco mais que os 20% de brancos e nulos. A vitória de Crivella, segundo o Ibope, seria ainda mais tranquila caso disputasse com Flávio Bolsonaro. Ele seria a opção de 54% do eleitorado, enquanto o postulante do PSC ficaria com 20%.

Marcelo Crivella manteve a liderança nas intenções de votoArte O Dia

Em um segundo turno sem Crivella, a pesquisa simulou a disputa entre Freixo e Bolsonaro. O triunfo, neste caso, seria do psolista, com 37%. Bolsonaro somaria 27%, número inferior aos 31% de brancos e nulos.

Outro cálculo do Ibope foi o índice de rejeição dos candidatos. Pupilo do atual governo, Pedro Paulo lidera com 36%, pouco mais que Jandira, em quem 35% dos perguntados não votariam de jeito nenhum. Depois deles, a lista segue com Flávio Bolsonaro (29%), Crivella (24%), Indio da Costa (22%), Cyro Garcia (21%), Freixo (18%), Osorio (18%), Alessandro Molon (18%), Carmen Migueles (16%) e Thelma Bastos (16%).

Crivella passou a ter 11 pontos percentuais de rejeição a menos em relação à pesquisa anterior. “Ele está fazendo um discurso mais social e anti-PMDB. O problema é que vai entrar, no segundo turno, a relação dele com a Igreja Universal, algo pouco explorado até agora”, avalia o cientista político Ricardo Ismael, da PUC-Rio. Freixo também melhorou seu índice de rejeição: desceu oito pontos percentuais.

Paes: maioria aprova governo

O Ibope também quis saber dos entrevistados a avaliação da administração do prefeito Eduardo Paes. O percentual que considera a gestão do peemedebista regular é maioria: 38%, contra 40% dos entrevistados na pesquisa anterior. O índice que considera a gestão boa ou ótima se manteve nos 27% da última pesquisa.

Os que consideram a administração ruim ou péssima cresceu dois pontos percentuais, passando de 32% para 34%.

“O Pedro Paulo deve buscar alcançar os 27% que acham o governo de Paes bom ou ótimo, algo que não conseguiu até agora”, aponta Ricardo Ismael, que destaca o modo como o peemedebista tem sido atacado pelos concorrentes.

Empate técnico

Os candidatos estão tecnicamente empatados porque a margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Ou seja, os segundos colocados, Marcelo Freixo e Pedro Paulo, estão matematicamente empatados com 9%, poderiam alcançar entre 6% e 12%, enquanto o sexto colocado, Índio da Costa, que aparece com 7%, poderia alcançar até 10%. Flávio Bolsonaro e Jandira Feghali, matematicamente empatados em quarto lugar com 8%, podem atingir de 5% a 11%.

?Com o estagiário Caio Sartori

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia