A vida em perigo sobre duas rodas nas ruas da cidade

Ciclistas e defensores do uso de bike criticam falta de condições

Por thiago.antunes

Rio - A falta de infraestrutura para ciclistas no Rio preocupa quem se locomove de bicicleta cotidianamente e, sobretudo, os que trabalham de bicicleta. Nos bairros, distante das ciclovias das praias da Zona Sul, entregadores de estabelecimentos comerciais que passam horas por dia em bicicletas, levando produtos para diversos lugares, não têm segurança para trabalhar. Além de o número de ciclovias ser pequeno, o uso de equipamentos de segurança não é comum.

Alexandro Ribeiro Lima, de 31 anos, é entregador de produtos de uma farmácia na Rua São Clemente, em Botafogo, a mesma onde foi atropelada por um ônibus, terça-feira, a ciclista Júlia Resende de Moura, 19.

Entregadores trabalham com bicicletas durante muitas horas por dia sem equipamentos de proteçãoEstefan Radovicz / Agência O Dia

Ele nunca sofreu um acidente, mas afirma ser desrespeitado por motoristas cotidianamente e sentir medo, principalmente após a morte de Júlia. “Acontece muito, todos os dias. Tiram fino da gente, já aconteceu de agarrar o guidão da bicicleta em retrovisor de carro”, conta.

A área onde ele trabalha é vista como um ponto crítico para ciclistas, devido aos inúmeros buracos e à faixa compartilhada com ônibus. “Seria bom se tivesse ciclovia para separar ciclistas de outros veículos. A gente não correria risco”, diz.

Entregador de um petshop na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, Plínio Ribeiro, 23, prefere andar na contramão, “para pelo menos ver o que vem na frente”, afirma. Francisco Vieira Cardoso, 27, entregador de um bar na Rua Francisco Sá, também em Copacabana, afirma ouvir reclamações de motoristas, mesmo estando certo.

Ciclistas pedem ciclovias seguras%2C longe dos veículos motorizadosEstefan Radovicz / Agência O Dia

Mas Alexandro, Plínio e Francisco têm mais do que isso em comum. Pedalam horas por dia sem nenhum equipamento de proteção: nem campainha, nem sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e nem espelho retrovisor do lado esquerdo, artigos obrigatórios para ciclistas, de acordo com o artigo 105 do Código de Trânsito Brasileiro. 

Falta lei de segurança para entregador

Para o presidente da Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Santos, as condições em que os entregadores trabalham são deploráveis. “Vejo entregador pedalando de chinelo. O pé pode prender no pedal, na engrenagem”, diz.

Não há lei que determine que os empregadores forneçam equipamentos de segurança para os funcionários que realizam entregas de bicicleta, segundo Cláudio. Também não são realizadas vistorias nas bicicletas. Segundo ele, é necessária regulamentação.

Para o diretor da ONG Transporte Ativo, José Lobo, o maior problema é a violência no trânsito e a ausência de educação. Ele critica o fato de o motorista do ônibus que atropelou Júlia terça-feira ter afirmado que não percebeu a presença da ciclista. “Não respeitam a distância mínima entre o veículo e o ciclista.”

A falta de educação no trânsito e a ausência de ciclovias em alguns trechos são os principais problemas enfrentados por quem usa bicicletas, diz a designer Paula Mello, 45.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia