Mais Lidas

Moda evangélica está em alta

Confecções driblam a crise fabricando roupas para cristãs: sem exposição do corpo ou sensualidade

Por luana.benedito

Rio - Três em cada dez brasileiros com 16 anos ou mais são evangélicos, segundo o Instituto de Pesquisas Datafolha. O aumento do número de fiéis tem criado novos nichos de mercado e incentivado o empreendedorismo nos segmentos: musical, literário e também fashion. “Depois que optamos em trabalhar exclusivamente com a moda evangélica, as vendas aumentaram significativamente e fidelizamos nossos clientes”, conta Silvia dos Santos, da Marmuth Fashion — que há dez anos direcionou o negócio para o setor cristão.

Marmuth Fashion aposta na discrição em suas coleçõesDivulgação / Marmuth

A empresa familiar surgiu há 20 anos e atualmente é gerenciada por três gerações: Silvia, 23 anos, sua mãe Selma, 40 anos, e a avó Maria, de 62 anos. A loja de Duque de Caxias revende multimarcas da moda gospel e também tem confecção própria. “Tentamos sempre deixar nosso público dentro da moda, sem precisar expor o corpo e usar a sensualidade que é tão imposta nos dias de hoje”, comenta a jovem sobre as inspirações para desenvolver as coleções da Marmuth.

Já Arlete Lima Silva, 47 anos, criou a Eleita Moda para alcançar clientes dentro do meio cristão. “Comecei a me especializar e procurar marcas que pudessem atender a mulher evangélica”, afirma. “Os critérios que usamos são: modernidade e elegância”, diz a empresária, que abriu sua loja em 2010, em Campo Grande.

Eleita Moda Evangélica está no mercado desde 2010Divulgação

A vendedora autônoma, Joseane Schaar, 43 anos, afirma que desde que conheceu a moda gospel só tem comprado em lojas do setor. “Nas lojas comuns, só encontramos roupas curtas. É muito difícil achar uma peça na altura do joelho ou abaixo. Nós cristãs, podemos ficar lindas e bem arrumadas, sem parecer vulgar.”

Apaixonada por moda, Thamires Nunes, 21 anos, queria empreender e começar a produzir suas coleções. A ideia inicial, segundo a jovem, não era se restringir ao público evangélico. “Mas as minhas peças atraem muitas cristãs que querem estar na moda sem pôr em risco a religião ou a doutrina. Então, entendi que o caminho ‘certo’ era esse.”

Thamires tem divulgado o seu trabalho em grupo de desapegos de moda evangélica no Facebook, a comunidade carioca tem quase 500 integrantes. “A gente saiu daquela coisa de ter na mente que cristã não pode estar na moda, por isso eu acho que a procura tem aumentado”, acredita ela. 

Thamires Nunes apostou no estilo e tem divulgado seu trabalho nas redes sociaisDivulgação

Personal stylist dá dicas

A personal stylist e cristã, Karol Stahr, diz que é importante a mulher reconhecer o seu estilo pessoal para buscar roupas dentro da moda evangélica. “O ideal é evitar peças muito curtas, transparências sem ter nenhuma combinação por baixo e decotes muito profundos”, explica.

Para Karol, engana-se quem acredita que discrição não combina com ser fashion. “É possível montar vários looks, mas mantendo o visual cristão”, comenta a consultora de estilo. “O floral vai estar super em alta no Verão 2018, além de transparências com sobreposições e jaquetas esportivas”, comenta.

Ainda segundo a personal stylist, as mulheres cristãs podem ousar nos sapatos, por exemplo, sem medo. Outra dica é se inspirar nas produções de algumas blogueiras e também nas famosas cantoras gospel como Aline Barros e Bruna Karla. “As mulheres podem usar tudo o que está na moda, mas pensado sempre em imprimir as crenças pessoais”, afirma.

“Quando a gente fala de moda evangélica, não está falando de uma setorização, mas sim de mulheres, que têm como papel transmitir algo a mais e mostrar respeito através das roupas”, acrescenta Karol.

Reportagem da estagiária Luana Benedito, sob supervisão de Joana Costa

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia