Estabelecimentos tradicionais do Rio se mantêm em atividade apesar da crise

Pontos comerciais da Zona Norte do Rio, que eram praticamente únicos, quase sem concorrência no século passado, ainda sobrevivem e desbancam o fechamento de lojas

Por FRANCISCO EDSON ALVES

Jose Gama: de carregador de pianos a dono da loja Rei dos Pianos, um dos xodós do bairro de Quintino
Jose Gama: de carregador de pianos a dono da loja Rei dos Pianos, um dos xodós do bairro de Quintino -

Rio - Quem foi rei, nunca perde a majestade. Pontos comerciais tradicionais da Zona Norte do Rio, que eram praticamente únicos, quase sem concorrência no século passado, ainda sobrevivem e desbancam o fechamento de lojas, que em 2017 chegou a nove mil na capital. Os tempos áureos ficaram para trás, edificações cresceram ao redor, mas muitos estabelecimentos antigos ainda estão firmes. Como foram fundados, servem de fontes históricas, e referência, não só geográfica, mas, sobretudo, de bom atendimento e qualidade.

É o caso do Bar Três Marias, que acaba de rebatizar o antigo Bar Dona Maria, na Tijuca. Depois de 61 anos à frente do reduto de encontro de sambistas famosos, como Beth Carvalho, Noca da Portela e Nelson Sargento, sempre atraídos pela cerveja gelada e petiscos a bom preço, a portuguesa Maria Ramos, de 96 anos, passou o ponto de boa conversa e comidinhas na calçada para a família de Victor Costa, 22.

"Iniciamos reforma para vender apenas salgadinhos. Mas recebemos tantos apelos que decidimos mudar apenas o nome. Numa cadeira de rodas, dona Maria Ramos se emocionou ao ver que daríamos continuidade ao que ela construiu", conta Victor. "Voltei a frequentar pelos famosos pasteizinhos, o carinho dos garçons e os ensaios do Bloco Nem Muda Nem Sai de Cima", justifica o fotógrafo Berg Silva.

No Andaraí fica outro 'herói da resistência' o Império das Cortinas, fundado há meio século por Hercílio Feitosa Silva, 86 anos, e mais conhecido como Fábrica de Cortinas. "Somos teimosos. Não abandonamos o barco nunca", diz, orgulhoso, Hercílio, que, com a esposa, Enoé, e outros dois parentes, confecciona, à mão, cerca de 70 cortinas personalizadas por mês. "Cada uma tem seu DNA", avisa.

Especialista em economia, Marilúcia dos Santos, ligada à Confederação Nacional do Comércio e Bens, diz que a longevidade de lojas que mantêm o estilo, amparada na fidelidade da clientela e no bom atendimento, tem papel fundamental para o desenvolvimento dos bairros. "São exemplos de persistência e sucesso", avalia.

 

Verdadeiras joias raras

Em Quintino, o português José Gama, 74 anos, luta para manter aberto o Rei dos Pianos, uma das três restauradoras do instrumento que ainda fazem afinações e reconstituições de peças em madeiras de lei no Rio. Para salvar o empreendimento, de 57 anos, ele contraiu sociedade.

"Espero manter vivo esse sonho", diz Gama, neto do maestro Manuel Ferreira, que foi da Filarmônica de Portugal. Ironicamente, ele veio para o Rio, fugindo da ditadura de António Salazar, para carregar pianos. "Comecei a bisbilhotar as peças. Me apaixonei", conta ele, orgulhoso por ter consertado o piano da apresentadora Xuxa.

O historiador Emannuel Bentes diz que lojas antigas são pontos de conhecimento e memória. "Se quiser saber como surgiu uma estátua ou via pública, vá a estabelecimentos tradicionais, cofres de sabedoria e informação", pondera.

Em Vila Isabel, fica outra 'joia rara': a Farmácia Homeopática Thélema (que significa 'faça tudo da melhor maneira, sem prejudicar ninguém', na Ordem Rosa Cruz). "Produzimos medicamentos, florais e cosméticos há 73 anos", lembra o farmacêutico Almir Lopes Batista, 82. De fachada simples e prateleiras imponentes, a Thélema faz milhares de fórmulas. "Todas com pitadas de amor", garante ele.

Galeria de Fotos

Jose Gama: de carregador de pianos a dono da loja Rei dos Pianos, um dos xodós do bairro de Quintino Marcio Mercante / Agencia O Dia
Almir Lopes, da Farmácia Homeopática Thélema: produção há 73 anos Marcio Mercante / Agencia O Dia
Hercílio Silva, 86 anos, do Império das Cortinas: meio século no Andaraí Marcio Mercante / Agencia O Dia

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro