Macaco encontrado morto em clube de Volta Redonda tinha febre amarela

Animal encontrado em março passou por necrópsia no Rio

Por O Dia

Macaco bugio é a espécie do animal mais suscetível à febre amarela
Macaco bugio é a espécie do animal mais suscetível à febre amarela -

Rio - O Clube dos Funcionários confirmou, nesta sexta-feira, que macaco encontrado morto no local estava infectado com febre amarela. Funcionário do estabelecimento em Volta Redonda, na Região Sul Fluminense, acharam o animal em março, mas a causa só foi confirmada após o recebimento de laudo do controle de zoonose da cidade.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, o município está entre as 13 cidades do estado com registros de macacos infectados pelo vírus em todo estado. O exame de necrópsia foi realizada em um laboratório no Rio de Janeiro.

O Clube dos Funcionários, que fica as margens da floresta da Cicuta na vila Santa Cecília, afirma que vem promovendo campanhas de vacinação. Segundo o estabelecimento, todos os seus colaboradores já foram imunizados e também alguns associados que compareceram a eventos de conscientização organizados pelo clube.

Dados do último balanço epidemiológico emitido pela secretaria revelam que o estado já acumula 262 casos de febre amarela silvestre neste ano. As regiões Sul e Costa Verde concentram o maior número de infectados (168). Vale ressaltar que, até o momento, nenhum caso de humano ou macaco infectado foi confimado pelo órgão na capital. Ao todo, 84 pessoas morreram no estado, sendo 50 na região.

A secretaria ressalta que os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela. A doença é transmitida por mosquitos. Procurada, a Prefeitura de Volta Redonda ainda não comentou sobre o laudo. 

Galeria de Fotos

Macaco bugio é a espécie do animal mais suscetível à febre amarela Reprodução Internet
Macaco bugio é a espécie do animal mais suscetível à febre amarela. Eles não transmitem a doença. Reprodução Internet

Últimas de Rio de Janeiro