Estado terá que prestar tratamento psiquiátrico para família de jovem morto na Maré

Adolescente foi assassinado durante uma operação policial na comunidade

Por O Dia

Marcos Vinicius da Silva, de 14 anos
Marcos Vinicius da Silva, de 14 anos -

Rio - A Justiça determinou que o Estado preste atendimento psiquiátrico e psicoterápico à família do estudante Marcus Vinicius da Silva, de 14 anos, morto durante uma operação no Complexo da Maré. Segundo a juíza Mônica Ribeiro Teixeira, da 1ª Vara de Fazenda Pública, os pais, a irmã e os avós do adolescente deverão receber o benefício. 

No entanto na mesma decisão, a magistrada negou o pedido da família para que o atendimento fosse prestado pela rede particular. No processo, a família argumentava que "o governo atual além de ter saqueado os cofres públicos, abandonou seus hospitais, inexistindo, por consequência, profissionais para atendê-los na rede pública". Mas, a magistrada não acatou a solicitação e afirmou que o Estado tem condições de prestar o serviço. 

Marcus Vinicius foi morto durante uma operação policial no Complexo da Maré, no dia 20 de junho. Na ocasião, o menino estava vestido com o uniforme escolar. De acordo com a mãe do jovem, Bruna da Silva, ele disse ter sido baleado por policiais antes de morrer.

 

 

Últimas de Rio de Janeiro