Rio e mais quatro estados lembram 25 anos da Chacina da Candelária

Segundo o movimento, o objetivo da vigília é lembrar que a luta continua para evitar que episódios como esse não se repitam

Por Agência Brasil

Movimento promove todos os anos atos em memória da chacina, ocorrida em 1993
Movimento promove todos os anos atos em memória da chacina, ocorrida em 1993 -

Rio - O Movimento Candelária Nunca Mais! promoveu nesta quinta-feira, com início às 18h, vigília em frente à Igreja da Candelária, região central do Rio de Janeiro, em memória dos jovens assassinados no local, há 25 anos. Segundo o movimento, o objetivo da vigília é lembrar que a luta continua para evitar que episódios como esse não se repitam.

Na madrugada de 23 de julho de 1993, em frente à Igreja da Candelária, policiais abriram fogo contra um grupo de crianças e adolescentes de rua que dormiam no local. Oito deles morreram. O episódio ficou conhecido mundialmente como Chacina da Candelária.

Desde então, todos os anos, o Movimento Candelária Nunca Mais!, que trabalha em defesa dos direitos de crianças e adolescentes, realiza várias manifestações para não deixar o episódio cair no esquecimento.

Neste ano, pela primeira vez, haverá vigílias em mais quatro estados. Na capiltal paulista, o ato será na Rua Djalma Dutra, 3, bairro da Luz. No Pará, haverá vigília no semáforo da Avenida Pedro Gomes com a Avenida Djalma Dutra,em Xingu; no Ceará, no Centro Cultural Belchior, na Rua dos Pacajús, 123, Praia de Iracema, em Fortaleza; e em Minas Gerais, na Praça Rui Barbosa (Praça da Estação), na Avenida dos Andradas, centro de Belo Horizonte.

Além de promover mobilizações pela vida, paz, liberdade, respeito e igualdade, o Movimento Candelária Nunca Mais! denuncia episódios de violência, intolerância e discriminação, sem fazer distinção de raça, classe, gênero ou credo.

No Rio, o ponto principal das manifestações programadas para os 25 anos da chacina será uma missa na Igreja da Candelária na próxima segunda-feira (23), às 10h, seguida de caminhada em defesa da vida, da Avenida Presidente Vargas até a Cinelândia, onde haverá um ato público e cultural, encerrando a programação.

Últimas de Rio de Janeiro