Agentes da concessionária tentam imobilizar ambulante - Reprodução / Internet
Agentes da concessionária tentam imobilizar ambulanteReprodução / Internet
Por Raimundo Aquino

Rio - Passageiros do metrô denunciam que seguranças da estação Inhaúma da linha 2, na Zona Norte, agiram com violência ao abordarem um ambulante no local, na tarde do último domingo. Um vídeo que circula na Internet, divulgado pela página "Rio de Janeiro Informa", mostra uma confusão generalizada no momento em que os agentes tentam imobilizar o vendedor (assista abaixo).

"Após o vendedor ser abordado, sem a reação do mesmo, sem gritos, sem agredir ninguém e sem estar armado, o segurança fez o favor de enforcar o rapaz na frente de todo mundo e jogou-o no chão", o autor do vídeo relata, em sua página no Facebook.

Nas imagens, é possível ver o ambulante no chão enquanto um segurança o imobiliza com um de seus joelhos. O homem tenta se levantar, mas não consegue. Enquanto isso, vários passageiros tentam intervir na situação, sem sucesso. "A situação foi longe de mais quando um dos seguranças colocou o pé na cabeça do vendedor e pressionou no chão", o autor das imagens reclama.

Confusão continua para fechar porta de vagão

O trem de onde o vendedor teria sido retirado fica parado na estação durante boa parte da confusão até que outros seguranças tentam fechar suas postas para que ele siga viagem. A partir daí, começa outra confusão com quem faz as filmagens e outros passageiros, que estão na entrada do vagão. "Sou empurrado em vários momentos e, por último, um dos seguranças tenta me puxar para fora do metrô e rasga minha mochila", o autor do vídeo alega.

Nas imagens, é possível ouvir uma das passageiras questionar os seguranças diversas vezes: "Está pisando no meu pé por quê?", reclama, até que as portas são fechadas, sem a filmagem do desfecho da confusão com o ambulante na estação.

Procurado pelo DIA, o MetrôRio informou que a venda de produtos dentro das composições é proibida e, por causa disso, os agentes de segurança da concessionária são orientados a retirar os ambulantes dos trens "de forma pacífica, com o objetivo de manter a ordem no sistema e a qualidade do serviço prestado aos clientes", disse, em nota.

Sobre a confusão da tarde de domingo, a concessionária alega que o ambulante "se recusou a entregar a mercadoria e ameaçou os agentes de segurança, que precisaram conter o ambulante e acionar a Polícia Militar".

Já sobre a reclamação de passageiros do momento do fechamento da porta de um dos vagões, a concessionária se limitou a dizer que "alguns clientes impediram o fechamento das portas, o que impossibilitou o trem de seguir viagem por cinco minutos".

Você pode gostar