Agressor diz ter agido por 'missão divina'

a

Por

O ataque sofrido por Jair Bolsonaro (PSL) foi repudiado por todo o espectro político. O temor de uma escalada de violência na campanha, após a agressão, que se segue aos tiros disparados contra a caravana de Lula e contra o acampamento de petistas em Curitiba, em março, foi citado pelas lideranças. O Psol, partido ao qual o agressor foi filiado, disse em nota que a agressão "configura um grave atentado à normalidade democrática e ao processo eleitoral". "Nosso partido tem denunciado a escalada de violência e intolerância que contaminaram o ambiente político". Os policiais que conduziram Oliveira ao carro relataram a Luís Boudens, presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), que o agressor afirmou estar agindo por ordem de Deus. "Ao ser conduzido para o carro, ele disse que estava agindo por uma missão divina. Agora, nosso pessoal está ouvindo o rapaz lá na nossa delegacia", disse ele, ontem à noite. Na delegacia, Oliveira disse que o atentado teria sido "ordenado por Deus".

Um dos coordenadores da campanha de Bolsonaro, o deputado federal Delegado Francischini (PSL-PR) pretende entrar com representação na Polícia Federal para que seja investigada a possibilidade de o atentado contra o candidato do PSL ser um "crime político".

"Ele (autor da agressão) foi filiado ao Psol. Queremos saber se tem alguém acima desse cara, alguém que o induziu", disse.

AFASTADO DA CAMPANHA

Bolsonaro deverá ficar, pelo menos, dez dias afastado da campanha. O grande risco, agora, é o de uma possível infecção. É possível que ele fique afastado da campanha nas ruas até o fim do primeiro turno. Deve ser transferido para o Hosptial Sírio-Libanês, em São Paulo, quando tiver condições de viajar.

Todos os adversários de Bolsonaro se solidarizaram com o candidato e pediram que o atentado seja esclarecido. Ciro Gomes (PDT) chegou a interromper a campanha. Fernando Haddad (PT), que deve assumir a cabeça da chapa petista na segunda-feira, desejou "pronto restabelecimento" ao adversário.

 

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro