Adeus ao mestre do samba

Autor de clássicos como 'Judia de Mim', Wilson Moreira morreu aos 81 anos, de câncer

Por

O cantor e compositor Wilson Moreira morreu, na noite da última quinta-feira, aos 81 anos. O sambista tinha se internado no mesmo dia para se tratar de problemas renais por causa de um câncer no rim e não resistiu. "O bamba, que tomou muita pancada dessa vida, mas nunca bambeou, nos deixa aos 81 anos, vítima de um câncer no rim. Nesse momento tão difícil, todo conforto, luz e paz à Angela Nenzy e aos familiares e amigos próximos", informou a equipe do músico no perfil do artista no Facebook. O enterro será hoje, às 15h30, no Cemitério do Caju.

No início da madrugada de ontem, a Portela, escola de samba pela qual o artista desfilou diversas vezes, lamentou a morte. "O presidente Luis Carlos Magalhães, o Departamento Cultural e toda a diretoria da escola lamentam profundamente a morte de Wilson Moreira e se solidarizam com a família e os amigos do sambista neste momento de luto", informou, em nota oficial.

Nascido 12 de dezembro de 1936, em Realengo, na Zona Oeste, Wilson Moreira deixou uma coletânea de sucessos, como 'Judia de Mim', composta ao lado de Zeca Pagodinho, com quem também compôs 'Quintal do Céu'. Outra pérola do samba foi 'Goiabada Cascão', junto com Nei Lopes, um de seus principais parceiros musicais e que foi interpretada pela primeira vez por Beth Carvalho, em 1976. 'Senhora Liberdade' e 'Deixa Clarear', ambos com Nei Lopes, foram outros de seus sucessos.

Além de Zeca Pagodinho e Beth Carvalho, o sambista também teve músicas gravadas por outros nomes consagrados da música brasileira. Entre eles, Clara Nunes, João Nogueira, Elizeth Cardoso, Candeia, Alcione, Jair Rodrigues, Emílio Santiago, Martinho da Vila, Dona Ivone Lara, Jovelina Pérola Negra, Zélia Duncan, Djavan, Sandra de Sá, Dudu Nobre, Leny Andrade, Elza Soares, Moacir Luz e Jorge Aragão.

OUTRAS PROFISSÕES

Antes de se dedicar definitivamente à música, Wilson Moreira teve diversas profissões. O sambista chegou a ser guia de cego, guarda penitenciário e também engraxate. Desde criança, contudo, ele se interessou pelo samba, tendo na família avós e tios que foram jongueiros e tocadores de caxambu. O artista participou ainda da criação da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel, onde também foi um dos fundadores da ala de compositores e chegou a tocar surdo na bateria.

Da Mocidade Independente, Wilson Moreira também passou a integrar a ala de compositores da Portela. Ele desfilou por diversas vezes em comissões de frente da agremiação e em carro alegórico com os membros da Velha Guarda e outros portelenses ilustres.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro