Funk está de luto: morre Mr. Catra, aos 49 anos

Cantor estava em tratamento de câncer. Local do sepultamento não foi divulgado

Por

A nação funkeira está de luto. Morreu ontem Wagner Domingos Costa, de 49 anos, ou simplesmente Mr. Catra. Natural do Rio de Janeiro, ele estava internado no Hospital do Coração (HCor), na capital paulista. Catra deixou três esposas e 32 filhos.

De acordo com a AF Assessoria & Produções, que assessorava o cantor, a informação foi dada à família pelo cirurgião oncológico Ricardo Motta, por volta das 15h20 da tarde de ontem.

"Neste momento de sofrimento, agradecemos o carinho, cuidado e compreensão dos amigos da imprensa, e pedimos, gentilmente, para que respeitem o momento de tristeza da família", diz a nota da assessoria de Catra.

Diagnosticado no início de 2017, Mr. Catra tinha parado de beber e reduzido o número de cigarros que fumava para realizar as sessões de quimioterapia.

O funkeiro, que começou a trajetória musical em uma banda de rock, se formou em Direito, mas nunca exerceu a profissão. E foi no funk irreverente e sem apologia ao tráfico que Mr. Catra ficou conhecido. O primeiro disco lançado por Catra foi 'O Bonde dos Justos'. Um dos principais batidões do cantor é 'Uh Papai Chegou'.

Nos anos 2000, Catra começou a fazer paródias de algumas músicas. 'Adultério', um de seus grandes sucessos, é uma versão de 'Tédio', do Biquini Cavadão. Até hoje tocada em rádios e nas festinhas familiares que sempre acabam ao som do funk.

Fora do cenário musical para tratar do câncer gástrico, Catra gravou um clipe há poucos meses com a funkeira Valeska Popozuda, que, em sua conta no Twitter, diz estar arrasada com a morte de Catra e faz homenagens ao cantor, a quem chama carinhosamente de padrinho.

Local e hora de sepultamento do corpo do cantor não foram divulgados pela assessoria até o fechamento desta edição.

 

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro