Cabral é condenado de novo e penas somam 170 anos

Ex-governador, preso há dois anos, responde a 25 processos criminais

Por

Além de Sérgio Cabral, MPF ofereceu denúncia contra outras 28 pessoas, entre deputados estaduais e assessores parlamentares -

A Justiça Federal condenou, ontem, o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) a mais 47 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva. Foi a sexta condenação imposta a Cabral pela Operação Lava Jato. O ex-governador do Rio acumula agora 170 anos e oito meses de pena. Ele está preso desde novembro de 2016 e responde a 25 processos.

Segundo a sentença dada pelo juiz Marcelo Bretas, Cabral comandava uma organização criminosa que recebeu dinheiro de obras realizadas com recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A corrupção alcançou a construção do Arco Metropolitano, a Linha 4 do metrô e obras de urbanização de favelas.

Além Cabral, foram condenados seu ex-secretário de Governo Wilson Carlos (6 anos e 6 meses), o ex-assessor Luiz Carlos Bezerra (5 anos e 6 meses), o ex-secretário de Obras Hudson Carlos (10 anos), o ex-diretor da RioTrilhos (4 anos), ex-subsecretário de Transportes, Luiz Carlos Velloso (7 anos), o ex-assessor Wagner Jordão (4 anos) e o empresário José Orlando Rabelo (3 anos e 6 meses).

"Sergio Cabral mercantilizou da forma repugnante as funções públicas que lhe foram outorgadas por meio de uma quantidade expressiva de votos" destacou Bretas. O advogado de Cabral, Rodrigo Roca, afirmou que recorrerá da sentença.

 

Galeria de Fotos

Além de Sérgio Cabral, MPF ofereceu denúncia contra outras 28 pessoas, entre deputados estaduais e assessores parlamentares ARQUIVO
Família de Leonardo, morto na Zona Norte, estava inconsolável Severino Silva

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro