Polícia investiga utilização de supercola por Dani Bumbum

Material teria sido usado nos glúteos de microempresária morta em cirurgia

Por Bruna Fantti

Dani vai responder em liberdade
Dani vai responder em liberdade -

Rio - A polícia investiga se Danielle Cardoso, a Dani Bumbum, usou uma espécie de supercola para tentar evitar o vazamento de metacril (produto similar ao acrílico) dos glúteos de Fernanda Assis. A microempresária se submeteu ao procedimento estético no último sábado e morreu em decorrência de complicações da cirurgia.

Dani Bumbum, que não possui licença para exercer a Medicina, teve a prisão temporária decretada pela Justiça e se apresentou na delegacia de Ricardo de Albuquerque na terça-feira. Nesta quarta, ela foi levada para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte, onde irá aguardar a transferência para outra unidade penal.

O uso da supercola teria sido utilizado após a microempresária se queixar de dores. Uma amiga da vítima contou à polícia que Dani Bumbum foi até a residência de Fernanda e "chorou após ver o ferimento das nádegas". No entanto, ela não teria recomendado a procura por ajuda médica especializada.

Nesta quarta, o delegado responsável pela investigação, Roberto Ramos, ouviu uma mulher que diz ter sido atendida por Dani Bumbum. A dona de casa, de 39 anos, contou que Danielle se apresentou como esteticista, com experiência em atendimento em cerca de 50 mulheres. Em um trecho do depoimento, ela disse que "foi atendida em sua casa duas vezes e que a suposta esteticista disse que fazia esse procedimento em mulheres de jogadores de futebol".

A dona de casa contou ainda que o serviço de Dani teria sido realizado em 2016, com o pagamento de R$ 3,5 mil para que fosse colocado 1,5 litros de metacril nos glúteos para Fernanda, o serviço custou R$ 1 mil. No entanto, após sentir fortes dores, ela descobriu que fora injetado silicone industrial em seu corpo e possui sequelas até hoje. Além de dores, a vítima relatou que não consegue ficar em pé por mais de trinta minutos.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro