Dani Bumbum aplicou silicone industrial como se fosse metacril na microempresária - reprodução
Dani Bumbum aplicou silicone industrial como se fosse metacril na microempresáriareprodução
Por O Dia

Rio - A Justiça do Rio negou o pedido de liberdade para Danielle Cândido Cardoso, também conhecida por Dani Bumbum ou Dani Sereia. Ela é acusada de fazer um preenchimento nos glúteos e nos lábios que levou a morte da microempresária Fernanda do Carmo de Assis, de 29 anos.

O caso aconteceu em Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte do Rio. Três testemunhas ouvidas pela polícia, reconheceram Danielle como envolvida na morte da microempresária. Ela está presa desde o último dia 16 na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica.

A Polícia Civil indiciou a mulher por homicídio e exercício ilegal da profissão. Fernanda morreu no sábado, dia 13 de outubro, nove dias após ser submetida ao procedimento em sua própria casa, em Anchieta.

Uma amiga da vítima, que não quis se identificar, contou ao DIA que o objetivo de Fernanda era corrigir falhas decorrentes de outro preenchimento feito por outra pessoa há menos de um ano. "Ela já tinha colocado metacril nos glúteos e, como achava que estava ruim, quis fazer um preenchimento para tirar estrias", revelou.

Você pode gostar