Imagens de câmera mostram homem mascarado executando político em Seropédica

Vídeo flagra Miguel Angelo Steffan de Souza, conhecido como "Miguelzinho Seropédica", sentado, conversando com outra pessoa em uma padaria no momento em que o atirador, mascarado, chega de fuzil e faz vários disparos contra o político

Por O Dia

Polícia investiga se morte de Miguelzinho teve motivação política
Polícia investiga se morte de Miguelzinho teve motivação política -

Rio - Imagens de uma câmera de segurança mostram a execução do político Miguel Angelo Steffan de Souza, conhecido como "Miguelzinho Seropédica", na manhã deste domingo. O vídeo flagra o ex-candidato a prefeito da cidade sentado conversando com outra pessoa em uma padaria no momento em que o atirador, mascarado, chega de fuzil e faz vários disparos contra Miguelzinho.

Na sequência das imagens, o político tenta correr, mas acaba caindo, baleado, entre as cadeiras da padaria, e recebe vários tiros. O fuzil chega a travar, mas o criminoso manuseia a arma e volta a fazer disparos contra Miguelzinho à queima-roupa. 

Ele é o segundo político morto em Seropédica em menos de três semanas. No dia 25 de outubro, Rafael de Siqueira Cardoso, também conhecido como "Rafael 39", de 37 anos, foi assassinado a tiros, também em uma padaria. Empresário local do ramo de extração e transporte de minerais, Rafael havia sido candidato a vereador pelo PDT em 2016, ficando como primeiro suplente de sua coligação e assumindo em seguida temporariamente a Subsecretaria de Obras de Seropédica.

Miguel era um forte opositor do atual prefeito da cidade, Anabal (PDT), e usava suas redes sociais para denunciar supostos abusos e irregularidades da gestão. Sua última postagem foi neste sábado:

"Governo contrata mas não paga! Dezenas de chefes de família estão sem levar o sustento para casa, pois o digníssimo gestor dessa zona chamada Prefeitura, não pagou aos humildes funcionários!", escreveu ele. O ex-candidato também denunciava crimes da milícia que atua em Seropédica, embora evitasse usar a palavra.

Na ocasião da morte de "Rafael 39", Miguel fez um post em suas redes sociais: "Deram fim de arquivo". No post, ele explicou que o atual governo teria feito um acordo com Rafael para que "algum candidato eleito a vereador da base do governo" fosse "nomeado a secretário, abrindo assim uma vaga e fazendo com que Rafael deixasse de ser suplente para assumir o mandato". No entanto, com o não cumprimento do acordo, Rafael acabou nomeado temporariamente como subsecretário de Obras de Seropédica e "subordinado a Pierre Alexandre (laranja do Waguinho e do Felipe)", o que o teria deixado frustrado e o motivado a deixar o cargo. De acordo com o ex-candidato a prefeito, o assassinato então teria ocorrido porque "Rafael era o arquivo vivo de inúmeras coisas erradas dentro do governo".

Últimas de Rio de Janeiro