Rio alcança 84% de cobertura vacinal contra a febre amarela

Mais de 4.5 milhões de pessoas já foram vacinadas no município do Rio

Por O Dia

Prefeitura reforça alerta para vacinação contra a febre amarela
Prefeitura reforça alerta para vacinação contra a febre amarela -

Rio - A Secretaria Municipal de Saúde atingiu a marca de 84% do público-alvo vacinado contra febre amarela. Somente neste ano, 1,49 milhão de doses da vacina foram aplicadas no município do Rio. Somando-se à população imunizada nos anos anteriores, já são 4,54 milhões de pessoas protegidas contra a doença, o que dá uma cobertura de 84% da população alvo da vacina – pessoas de nove meses a 59 anos de idade.

De acordo com a coordenação do Programa Municipal de Imunizações, a Prefeitura do Rio está se adequando à nova determinação do Ministério da Saúde, que tornou obrigatória no mês de julho a mudança na forma de contabilizar a cobertura vacinal (o que antes era feito a partir do número de doses aplicadas, agora será contado a partir do cadastro nominal, por cidadão vacinado). Na fase atual, a SMS já cadastrou cerca de 10% dos usuários que receberam dose da vacina e está comunicando ao ministério, por meio de nota técnica, a cobertura vacinal da cidade, para que sejam alinhados os dados.

A vacina da febre amarela é ofertada em 232 nas unidades da rede de Atenção Primária (Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde) e é a melhor medida de prevenção contra a doença. Mas, mesmo com todas as salas de vacina abastecidas, a procura da população está baixa.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vem intensificando o combate ao Aedes aegypti,mosquito transmissor da dengue, da zika e da chikungunya, e a prevenção, com ações de rotina durante todo o ano. Vale lembrar que o mosquito transmite a forma urbana de febre amarela, que não tem casos registrados no Brasil desde 1942.

Os agentes de Vigilância em Saúde realizam visitas de inspeção e eliminação de depósitos no município e contam com a ajuda da população, que pode denunciar possíveis focos por meio da Central de Atendimento da Prefeitura do Rio, no número 1746.

É importante ressaltar que a participação da população é fundamental, especialmente, verificando e eliminando os possíveis criadouros dentro de suas casas, evitando jogar lixo em locais inadequados, onde possam acumular água e propiciar o surgimento de focos do mosquito.

O Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) registrou, no mês de outubro de 2018, a taxa de infestação predial de 1,1% (0,1% acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde - OMS). 

Últimas de Rio de Janeiro