Witzel diz que execução de PM em Japeri tem motivação passional

Declaração foi dada na posse do novo defensor público-geral do estado, Rodrigo Baptista Pacheco: "É uma questão envolvendo a ex-mulher, mas já temos a identificação prévia de quem foi o autor do crime, e a polícia está trabalhando para prender", disse

Por *Caio Cardoso

Soldado da PM Miqueias Marinho Ribeiro foi morto a poucos metros de casa, em Japeri, após sair para trabalhar
Soldado da PM Miqueias Marinho Ribeiro foi morto a poucos metros de casa, em Japeri, após sair para trabalhar -

Rio - O governador do estado do Rio, Wilson Witzel, disse, nesta segunda-feira, que a morte do policial militar Miquéias Marinho Ribeiro, 31 anos, na manhã de hoje, tem motivação passional. A declaração foi dada após a posse do novo defensor público-geral do estado, Rodrigo Baptista Pacheco.

"Foi apurado que o motivo do crime foi passional, uma questão envolvendo a ex-mulher, mas já temos a identificação prévia de quem foi o autor do crime, e a polícia está trabalhando para prender", disse Witzel à imprensa. O soldado estava casado e tinha um filho. 

Miquéias Marinho Ribeiro, 31 anos, era lotado na UPP Nova Brasília, no Complexo do Alemão, e foi o segundo PM morto em menos de 48 horas no Rio e o segundo nos primeiros sete dias de 2019. De acordo com a PM, o militar foi morto a tiros, na manhã desta segunda-feira, logo após sair de carro de sua casa, na localidade Primavera, em Engenheiro Pedreira, Japeri, na Baixada Fluminense, para ir trabalhar.

Segundo a Polícia Militar, o pai da vítima disse que chegou a escutar os disparos, correu para ver o que era e viu o filho já baleado dentro do seu carro, um Fiat Siena prata. Socorrido para a Policlínica Itália Franco, no bairro Santa Inês, o soldado não resistiu aos ferimentos. Ainda não se sabe a motivação do crime.

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) fez perícia no local. Questionada sobre a linha de investigação, a instituição disse apenas que "as investigações estão em andamento para identificar a autoria do crime". Até a publicação da reportagem nenhum suspeito havia sido preso. 

O primeiro caso de PM morto aconteceu no sábado quando o soldado Daniel Henrique Mariotti, de 30 anos, foi tentar evitar assalto na Linha Amarela, na altura de Bonsucesso, no último sábado. Ele chegou a ser socorrido para o Hospital Federal de Bonsucesso, mas não resistiu e morreu.

*Estagiário, com supervisão de Adriano Araujo

 

Últimas de Rio de Janeiro