Justiça bloqueia mais de R$ 45 milhões de Pezão

Ex-governador é acusado de receber propina da Fetranspor

Por O Dia

Governador Luiz Fernando Pezão (MDB) na PF após ser preso pela Polícia Federal na operação Boca de Lobo
Governador Luiz Fernando Pezão (MDB) na PF após ser preso pela Polícia Federal na operação Boca de Lobo -

Rio - A Justiça do Rio autorizou o bloqueio de mais R$ 45 milhões pertencentes ao ex-governador Luiz Fernando Pezão. O político é acusado de receber mais de R$ 11 milhões da Fetranspor em troca de favorecimento aos interesses da entidade sindical durante o seu mandato, de 2015 a 2018.

De acordo com a decisão da juíza Mirela Erbisti, titular da 3ª Vara de Fazenda Pública da Capital, o ex-governador teve R$ 45.600.000,00 colocados sob indisponibilidade, R$ 11.400 de recebimento ilegal somados a uma multa civil estabelecida em R$ 34.200, equivalente ao triplo do seu acréscimo patrimonial, na forma do artigo 12, I da Lei 8.429/92.

As investigações mostraram que, após a saída de Sérgio Cabral do governo, Pezão assumiu o cargo e a liderança da organização criminosa, mantendo o seu funcionamento. E dentre as empresas que pagavam propina ao Poder Executivo durante o governo Cabral, destacou-se a Fetranspor que, por ordem do ex-dirigente José Carlos Lavouras, também denunciado na ACP, manteve a rotina de pagamentos de vantagens ilícitas após Pezão assumir o governo do estado.

Pezão indicou Luiz Carlos Vidal Barroso para recolher propina de empresários corruptores, função que continuou a ser exercida, no que tange aos pagamentos indevidos a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RJ), pelo colaborador Hudson Braga. José Carlos, Luiz Carlos e Hudson tiveram bloqueados pela Justiça, somados, mais de R$ 68 milhões. Já a Fetranspor teve R$ 34.200 do seu patrimônio colocados sob indisponibilidade, de acordo com a decisão judicial. 

Procurada, a Fetranspor informou que "colabora com as investigações" e que "permanece à disposição das autoridades para os esclarecimentos que forem necessários". "É importante ressaltar que todas as notícias recentes relacionadas à gestão da Fetranspor referem-se a fatos supostamente ocorridos muito antes da posse do novo corpo administrativo", diz trecho da nota.

Confira a nota da Fetranspor na íntegra:

"A Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor) esclarece que desenvolve atualmente uma profunda reestruturação interna, com o estabelecimento de uma nova política de conformidade e o fortalecimento da sua administração com uma moderna governança.

A Federação reafirma seu compromisso com uma nova gestão que prioriza a transparência de seus atos, a valorização dos controles internos e o respeito às normas que regulam o setor. Desde setembro de 2017, a entidade é presidida por um novo executivo, selecionado no mercado, sem qualquer ligação anterior com a área de transporte público de passageiros.

É importante ressaltar que todas as notícias recentes relacionadas à gestão da Fetranspor referem-se a fatos supostamente ocorridos muito antes da posse do novo corpo administrativo.

A Federação destaca mais uma vez o seu comprometimento para colaborar com as investigações em andamento e para cumprir todas as determinações judiciais, permanecendo à disposição das autoridades para os esclarecimentos que forem necessários."

Últimas de Rio de Janeiro