Polícia deve mudar o caso para homicídio doloso, diz advogado de mãe de jovem morto em mercado

Delegada informou ao DIA que envolvidos e testemunhas serão ouvidos novamente; laudo do IML provou que rapaz foi asfixiado e estrangulado

Por O Dia

Chegando na Delegacia de Homicídio (DH) na Barra da Tijuca, Dinalva Oliveira mãe do Pedro Henrique Gonzaga  morto pelo segurança do Supermercado Extra, acompanha do advogado Marcello Ramalho 
(terno) e marido Oswaldo Filho. Foto: Severino Silva/Agência O Dia
Chegando na Delegacia de Homicídio (DH) na Barra da Tijuca, Dinalva Oliveira mãe do Pedro Henrique Gonzaga morto pelo segurança do Supermercado Extra, acompanha do advogado Marcello Ramalho (terno) e marido Oswaldo Filho. Foto: Severino Silva/Agência O Dia -

Rio - O advogado de Dinalva Oliveira, mãe de Pedro Henrique Oliveira Gonzaga, 19 anos, afirmou nesta terça-feira que "confia no trabalho da polícia" e espera que a tipificação do crime seja mudada para homicídio doloso (quando há intenção de matar). Segundo Marcelo Ramalho, Dinalva contou a agentes da Delegacia de Homicídios (DH) como presenciou a morte do filho no hipermercado Extra, na Barra da Tijuca. "São delegados competentes, que certamente vão desnaturar a conduta para homicídio doloso. Ela sintetizou como os fatos ocorreram. Evidentemente foi uma ação para ceifar a vida do filho dela. Uma das coisas que ela disse, foi: 'Ele assassinou me filho'. Essa história de ele tentar pegar a arma não existiu. Nada justifica a ação do segurança. Aquilo não foi técnica de imobilização, foi de execução. Ele apenas saiu correndo e o segurança o imobilizou. Ela disse que era a mãe do Pedro e o segurança não acreditou. Estamos confiando na Polícia Civil", afirmou. No início da tarde, a mulher chegou à DH emocionada e não falou com a imprensa.

"Foi um exagero com dolo. A vítima estava desacordada, em processo de desfalecimento. Certamente os outros seguranças devem ser responsabilizados, pois deveriam ter agido para impedir a ilegalidade do colega. 

Mais cedo, a delegada Cristiane Carvalho contou ao DIA que vai ouvir todas as oito pessoas — entre os envolvidos e testemunhas — novamente. O objetivo é confrontar as informações repassadas à DH até agora.

O DIA apurou que a situação de Davi Ricardo Moreira Amâncio, 32 anos, deverá se complicar após o Instituto Médico Legal (IML) divulgar que Pedro Henrique foi morto por asfixia. "A tipificação do crime deverá mudar porque asfixia é uma qualificadora para o homicídio doloso qualificado", disse um investigador.

A Polícia Civil tem 30 dias para concluir o inquérito e remeter ao Ministério Publico do Rio de Janeiro. Entretanto, a reportagem apurou que o material deverá ser entregue ao MPRJ já nos próximos dias.

Uma testemunha da morte de Pedro Henrique prestou depoimento à polícia hoje. Ela disse que avisou ao segurança repetidamente que o rapaz estava morrendo, mas o vigia ignorou dizendo que ele que "estava no comando": "Ela é categórica ao dizer que avisou repetidas vezes, pedindo para parar porque o ele (Pedro) estava morrendo e o segurança ignorou. Ele entendeu a mensagem e assumiu o risco de matar o rapaz", disse o delegado Antônio Ricardo Nunes, chefe do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP).

Entre as outras sete pessoas ouvidas nesta terça estão os PMs que atenderam a ocorrência, outros seguranças que estavam no momento da confusão e funcionários do estabelecimento. 

 

Galeria de Fotos

Chegando na Delegacia de Homicídio (DH) na Barra da Tijuca, Dinalva Oliveira mãe do Pedro Henrique Gonzaga morto pelo segurança do Supermercado Extra, acompanha do advogado Marcello Ramalho (terno) e marido Oswaldo Filho. Foto: Severino Silva/Agência O Dia Severino Silva/Agência O Dia
Dinalva Oliveira, mãe de Pedro Henrique, chega na Delegacia de Homicídios (DH) para prestar depoimento Alexandre Brum / Agência O Dia

Comentários