Irmãos venderam bala em sinal para viajar pelo jiu-jítsu do Brasil

Dupla arrecadou R$ 5 mil em campanha feita em sinais de trânsito de Niterói

Por Lucas Cardoso

Grupo vendeu balas em sinal de trânsito para conseguir ir aos Estados Unidos
Grupo vendeu balas em sinal de trânsito para conseguir ir aos Estados Unidos -

Rio - Representar o jiu-jítsu brasileiro no exterior. Essa foi a motivação para que dois irmãos de Niterói, com a ajuda dos pais e amigos, começassem a vender balas em um sinal de trânsito da cidade. Durante pouco mais de quatro meses, Enzo e Rhuan Simões, de 8 e 14 anos, conseguiram atingir a meta e arrecadar R$ 5 mil para realizar a viagem à Califórnia, nos Estados Unidos. A dedicação da família Simões levou os lutadores ao topo do pódio em três competições internacionais.

"Nós precisávamos fazer alguma coisa, pois já estávamos realizando campanha na internet, mas não estava acontecendo nada. Quando cheguei do trabalho naquele dia, conversei com eles, e chegamos a um acordo de vender balas na rua pra arrecadar o valor necessário. E todos aderiram à ideia. Foi complicado no início, mas as coisas fluíram depois", conta Rafael Simões, pai dos garotos. A família mora no bairro Maria Paula.

"Quando nós estávamos lá (na rua vendendo), muita gente nos parabenizava. Dava força. Alguns compravam, e outros, não. Mas, de pouquinho em pouquinho, nós conseguimos um bom valor", lembra Enzo.

O trabalho no sinal começou em outubro do ano passado e terminou em fevereiro deste ano. Além dos R$ 5 mil arrecadados, a família Simões também contou com a ajuda de amigos que surgiram durante a campanha. Segundo os pais dos meninos, um empresário ajudou com o valor das passagens de ida e volta para que a dupla competisse.

Nos Estados Unidos, Enzo venceu duas competições, e Rhuan ganhou uma. Nos próximos meses, eles já planejam começar uma nova jornada: participar do Campeonato Brasileiro, em São Paulo, e, depois, o Europeu Infantil, em Dublin, na Irlanda. Projetando o futuro, Enzo acredita que o jiu-jítsu é um caminho para o seu verdadeiro sonho: "Quero ser lutador profissional do UFC", disse, referindo-se à entidade que organiza eventos de MMA ao redor do mundo.

Projeto social

Motivada pela paixão dos filhos, toda a família Simões começou a praticar a arte marcial e foi além: iniciou um projeto social chamado Nação Kids, que oferece aulas de jiu-jítsu a crianças e adolescentes pobres do bairro Maria Paula.

Galeria de Fotos

Grupo vendeu balas em sinal de trânsito para conseguir ir aos Estados Unidos Arquivo Pessoal
Pais se desdobraram para garantir rotina de treinos para os filhos Arquivo Pessoal

Comentários