Prefeitos decretam Estado de Emergência em Volta Redonda e Barra Mansa

Há vias e imóveis interditados, lojas fechadas, escolas e universidades com aulas suspensas, falta de energia e água potável, em diversas localidades. Em duas horas choveu o equivalente a 15 dias.

Por FRANCISCO EDSON ALVES

A principal ligação entre Volta Redonda, pela Rodovia Sérgio Braga, ainda está interditada
A principal ligação entre Volta Redonda, pela Rodovia Sérgio Braga, ainda está interditada -

O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, e o de Barra Mansa, Marcelo Drable, decretaram Estado de Emergência nesta segundo-feira, nos dois municípios, atingidos pelo temporal que causou sérios transtornos na região na noite deste domingo. De acordo com a Defesa Civil de Volta Redonda, em apenas duas horas, choveu 170 mm, o equivalente ao esperado para 15 dias. De acordo com o Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), no período, caíram 510 raios entre as duas cidades, que continuam com sua principal via de ligação, a Rodovia Sérgio Braga, interditada. Há previsão de mais chuva forte para o final da tarde. 

No Padre Josimo, moradores tiveram casas alagadas e destruída, por conta de suposta obra inacabada - Redes Sociais

Além de várias escolas estaduais e municipais, as duas universidades das duas cidades - Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA) e Centro Universitário de Barra Mansa (UBM) - suspenderam aulas nesta segunda-feira, "tendo em vista a segurança dos alunos e a dificuldade de locomoção de veículos".

De acordo com nota da Prefeitura de Volta Redonda, a intenção, ao assinar o documento, é acelerar, dentro da legalidade, prazos de contratações, visando amenizar os efeitos das enchentes.

“Toda região sofreu com op grande volume de chuva em tão curto período. Estamos atuando desde a noite de domingo, realizando a limpeza e desobstrução de vias”, garantiu Samuca. O decreto de Emergência ainda considera a previsão do tempo, que prevê chuvas fortes ainda para as próximas hora e dias. Num vídeo publicado ontem pelo comunicador Renan Cury, pode-se notar a fúria das águas em Volta Redonda.

Em vídeo, o prefeito pediu para que as pessoas evitem trafegar pela Vila Santa Cecília, uma das áreas mais nobres e castigadas no Centro de Volta Redonda.  Em outros bairros, como Retiro, Padre Josimo, Jardim Ponte Alta, Minerlândia, Siderlândia, Belmonte e Jardim Europa, moradores passam o dia tentando salvar o que podem no meio da lama deixadas pelas enxurradas, que chegaram a encobrir e arrastar veículos, como na Avenida Beira Rio.

"No nosso caso, uma obra do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae-VR) de manutenção de uma caixa de água pluvial, em manutenção, desmoronou. A terra entupiu tubulações, que agora estão estourando dentro das casas dos moradores da localidade. Pedimos socorro imediato", apelou Jaqueline Cécilio de oliveira, que mora no número 11 da rua 18 do Padre Josimo. A autarquia ficou de enviar uma equipe no local para verificar o problema. 

Na Vila Santa Cecília, área mais nobre de Volta Redonda, o temporal alagou casas, lojas e escolas - Redes Sociais

Já em Barra Mansa, vários bairros, que já tinham sido castigados pelo transbordo do rio que leva o nome do município no dia 17 de março, voltaram a sofrer com mais enchentes e prejuízos.  Nova Esperança, Boa Sorte e São Luiz foram os mais atingidos na noite deste domingo. A população já estava mobilizada para arrecadar roupas, alimentos e móveis para ajudar desalojados, que estão abrigados em casas de parentes. Em Barra Mansa, o volume de água chegou a 107 mm entre 21h e 23h. O Rio Barra Mansa subiu pelo menos cinco metros além de seu nível normal.

”É muito sofrimento. Há anos nos prometem soluções, que vão nos tirar daqui (das margens do Rio Barra Mansa), mas só nos iludem. Eu, meu marido e quatro filhos, não temos para onde ir", desabafou a moradora do bairro São Luiz, Maria Auxiliadora de Novaes, de 54 anos, que perdeu móveis por duas vezes seguidas.

Em comunicado à imprensa, Rodrigo Drable afirmou que os bairros que mais sofreram estão passando por limpeza desde a noite deste domingo. O foco no momento é a limpeza e a desobstrução das ruas que estão completamente tomadas pelo barro. Além do suporte às famílias atingidas, através de equipes da Secretaria de Assistência Social.

Balanço dos estragos em Volta Redonda

Agora há pouco a Prefeitura de Volta Redonda divulgou novo balanço do temporal. Ao todo, segundo o governo municipal, aproximadamente 40 famílias estão desalojadas e oito, desabrigadas, Todas estariam sendo atendidas pela Secretaria de Ação Social (Smac). Servidores públicos já teriam recolhido 1,3 tonelada de lama e entulhos em vias do município, em 50 caminhões, só nesta segunda feira. Trinta ruas já foram desobstruídas. Ainda segundo a prefeitura, 600 profissionais de diversas secretarias estão atuando no município. As Avenidas Belmonte, no bairro Belmonte, Avenida Mantiqueira, no bairro Retiro e a Rua Doutor Paulo Gama, no bairro Eucaliptal seguem interditadas e devem ser liberadas nessa terça feira. A escolas municipais Ayrton Sena  João Hassis, Pará e  Creche Gotinhas de Amor devem continuar sem aulas até o final de semana.

Até o momento, 30 casas foram interditadas, assim como o Zoológico Municipal, cuja previsão de reabertura para visitação é somente na quinta-feira. Sessenta caminhões pipa abasteceram hospitais, escolas e creches. Seis pessoas deram entrada em hospitais com algum tipo de ferimento, mas quatro já foram liberadas. As outras duas estão fora de perigo, em observação. A nota diz que a previsão de normalidade de toda a cidade e de até uma semana.

Comissão da Alerj pede ajuda para as cidade atingidas

O presidente da Comissão de Acompanhamento, Promoção e Incentivo ao Desenvolvimento Econômico, Humano e Geração de Renda do Médio Paraíba da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Marcelo Cabeleireiro, fez inspeção, com uma equipe, em ambas as cidades, para verificar os estragos. O parlamentar solicitou ao Governo do Estado que disponibilize caminhões, equipamentos e equipes de trabalhadores para prestar socorro aos dois municípios.

Marcelo Cabeleireiro ainda se reuniu com os prefeitos Rodrigo Drable e Samuca Silva. “Logo pela manhã, fiz contato com o governador e conseguimos os equipamentos e pessoal para dar suporte nos trabalhos”, garantiu o deputado. O reforço de mão de obras e máquinas deve chegar nesta terça-feira, disponibilizados por diversas secretarias estaduais.

Galeria de Fotos

A principal ligação entre Volta Redonda, pela Rodovia Sérgio Braga, ainda está interditada Redes Sociais
No Padre Josimo, moradores tiveram casas alagadas e destruída, por conta de suposta obra inacabada Redes Sociais
Na Vila Santa Cecília, área mais nobre de Volta Redonda, o temporal alagou casas, lojas e escolas Redes Sociais

Comentários