Explosão na CSN deixa mais de 25 funcionários feridos

Reação química durante a retirada e escória de uma panela de aciaria provocou deslocamento de ar e vazamento de material

Por O Dia

Grande quantidade de fumaça foi vista saindo da companhia
Grande quantidade de fumaça foi vista saindo da companhia -
Rio - Uma explosão na Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em Volta Redonda, no Sul Fluminense, deixou pelo menos 25 funcionários feridos, na manhã desta quarta-feira. De acordo com a companhia, durante a retirada de escória (resultado final do processo de transformação química) da panela de Aciaria (onde o ferro é transformado em aço) houve uma reação que provocou um deslocamento de ar e vazamento de material, "que duraram poucos minutos".
Após atendimento médico na própria CSN, os feridos foram socorridos em hospitais do município por causa da intoxicação provocada pela inalação de fumaça. Nenhum deles ficou em estado grave.
Um forte estrondo foi ouvido no momento da explosão e assustou moradores da região. Uma enorme cortina de fumaça foi vista saindo da companhia logo depois. 
"Fui acordada agora pouco com um susto muito grande de um barulho muito intenso como o de uma explosão vindo da CSN. Logo me deparei com essa fumaça escura e densa e, logo em seguida, dava para ouvir sons como de carros de bombeiro e de socorro. Algo aconteceu, talvez na Cearia (tomara que não). Vamos orar pelas vidas que se encontram lá dentro nesse momento", uma moradora postou, nas redes sociais.
Em nota, a companhia informou que o "incidente ocorreu durante atividade de transferência de escória líquida que, provavelmente, teve contato com pontos de umidade no interior do pote de descarte. Este contato gerou deslocamento de ar proporcionando grande desprendimento de poeiras no setor".
A empresa disse também que nenhum equipamento importante foi afetado e a produção da Aciaria já está normalizada. "Todos os órgãos competentes foram informados. A empresa está investigando todas as causas da ocorrência, finalizou.
O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense avisou que, no momento do acidente, um dos diretores do sindicato, que trabalha na área, estava presente e pôde acompanhar o socorro aos trabalhadores atingidos com a nuvem de poeira, que causou irritação nos olhos e narinas.
"O sindicato acabou de fazer contato com o responsável pelo RH da empresa que estava se deslocando até o hospital das Clínicas e o hospital a Unimed para acompanhar os trabalhadores que foram levados até esses hospitais. O presidente Silvio Campos esteve no Hospital das Clínicas, logo após a informação do acidente, e acompanha o atendimento às vítimas", informou, por volta das 11h.

Comentários