Ato contra pedágio interdita a BR-101 em Casimiro de Abreu

Manifestantes atearam fogo em troncos de árvores para bloquear a via. Tráfego só foi liberado cerca de três horas depois

Por O Dia

Moradores de Casimiro de Abreu reivindicam cobrança de pedágio na BR-101
Moradores de Casimiro de Abreu reivindicam cobrança de pedágio na BR-101 -
Rio - Moradores de Casimiro de Abreu, no interior do Rio, realizaram, nesta quarta-feira, um protesto na Rodovia Mário Covas (BR-101) 22) contra o pagamento de pedágio na via. A paralisação aconteceu na altura do km 192 e os manifestantes colocaram fogo em troncos de árvore para bloquear as duas pistas.
Segundo os manifestantes, uma via alternativa para chegar ao bairro de Rio Dourado foi fechada nesta terça-feira pela Autopista Fluminense, concessionária que administra a rodovia. De acordo com eles, com a medida, os moradores do bairro Boa Esperança precisam pagar o pedágio duas vezes para chegar a Rio Dourado.
De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, cerca de 50 pessoas participavam do ato por volta das 7h30. O acostamento foi liberado para a passagem de veículos de emergência, mas o tráfego ficou bloqueado por três horas.
A Autopista Fluminense, concessionária que administra a via, informou que a passagem foi fechada pois as manobras de retorno realizadas no local colocavam em risco os usuários da rodovia e a comunidade do entorno. Após reunião com a Agencia Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ficou acordada a construção de passarela, instalação de pontos de ônibus, em ambos os sentidos da rodovia.
Além disso, a empresa afirmou que fez o cadastramento dos 145 veículos do entorno da praça de pedágio de Casimiro de Abreu, permitindo assim a isenção de tarifa de pedágio para esse grupo. A empresa continua realizando a atualização dos dados dos veículos dos moradores já cadastrados. 

Comentários