Ex de jovem desaparecida há oito anos é preso por suspeita de ocultar corpo

Ele e o irmão, um PM, foram presos por homicídio

Por O Dia

Jennefer Tifany
Jennefer Tifany -
Rio - O ex-companheiro de uma jovem desaparecida há oitos anos e o irmão dele, um policial militar, foram presos, nesta quinta-feira, suspeitos de ocultar o corpo de Jennefer Tifany Vei­ga Pires em Rio das Ostras, na Região dos Lagos. De acordo com a Polícia Civil, a mulher foi vista pela última vez em 2011.
Steve Jonathan Lopes Barbosa e o policial Erik Johnson Lopes Barbosa foram presos em cumprimento do mandado de prisão temporária pelo crime de homicídio qualificado.
Segundo Ronaldo Cavalcante, delegado titular da 128ª DP (Rio das Ostras) e responsável pelas investigações, a família da vítima desconfiou que algo poderia ter acontecido com ela ao ver que o então companheiro postou uma foto nas redes sociais anunciando um novo relacionamento, em 2014. 
Os pais da jovem não tinham contato com a filha, então com 15 anos, desde 2009. "Eles não aceitavam o relacionamento e tiveram alguns embates. Entre 2009 e 2011, a menina teve dois filhos. Após o Steve anunciar o novo casamento, os pais dele entraram com o pedido de guarda. A família de Jennefer achou o episódio estranho e entrou em contato para saber onde a filha estava", conta o delegado. 
Ainda de acordo com o delegado, a família de Steve dizia que ela estava viajando num dia, em outro que ela não queria os pais, até que alegaram que a jovem havia ido embora e abandonado as crianças. Os pais dela registraram o caso como desaparecimento. Algumas pessoas foram ouvidas, mas a investigação não avançou.
Cartaz de desaparecida de Jennefer Tifany - Divulgação
No entanto, em 2017, o caso mudou com o depoimento de uma testemunha ao delegado da distrital.  revelou que os dois entraram todos ensaguentados na casa dela e pediu para guardar uma camiseta suja de sangue. "Essa pessoa revelou que os dois entraram ensaguentados na sua casa e pediram para ela guardar uma camiseta suja de sangue", diz Cavalcante.
A testemunha disse que a jovem foi esquartejada e jogada no rio daquele município. Ela narrou também que as roupas usadas por Jennefer foram guardadas numa geladeira velha.
O delegado foi transferido durante dois anos e nesse período depoimentos foram colhidos. "Quando voltei para a distrital neste ano avancei nas investigações. Achei que tinha elementos suficientes para indiciar os dois por homicídio", afirma. 
O relato da testemunha ainda não está provado nos autos, segundo o delegado, porque o corpo não foi encontrado. "Acredito que avançaremos agora nas investigações com os os dois presos, já que as pessoas tinham medo de contar suas versões porque um deles é policial militar", explica Cavalcante. 
Em nota, a Polícia Militar informou que um policial foi preso nesta quinta-feira, em Rio das Ostras, sendo ouvido na 128ª DP e na 6ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar. Ele foi preso na Unidade Prisional da PM.
O ex-companheiro de Jennefer vai ser encaminhado para um presídio de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. 

Galeria de Fotos

Cartaz de desaparecida de Jennefer Tifany Divulgação
Jennefer Tifany Reprodução redes socias

Comentários