Justiça mantém Niemeyer fechada

Nova vistoria será realizada e, a partir disso, será decidido se a via será reaberta

Por O Dia

Perícia foi realizada após recurso apresentado pela Prefeitura
Perícia foi realizada após recurso apresentado pela Prefeitura -
Rio - A Justiça do Rio decidiu manter o fechamento da Avenida Niemeyer, na Zona Sul do Rio. A decisão foi tomada em audiência especial nesta quinta-feira na 3ª Vara da Fazenda Pública do Rio. Foram ouvidos pela juíza Mirela Erbisti o secretário de Infraestrutura e Habitação da Prefeitura, Sebastião Bruno, além de técnicos da Fundação Instituto de Geotécnica (Geo-Rio) e de representante do Ministério Público. Estiveram presentes ainda procuradores do município e do estado. 
Durante a audiência, a juíza um prazo de 48h para a juntada de documentos pelo Ministério Público e pelo município do Rio sobre o caso. Depois disso, será realizada nova vistoria pelos peritos nomeados pelo Judiciário no prazo de cinco dias e, somente a partir desse período, será decidido se a via será de fato reaberta ou não. 

Na última sexta-feira (31), a Justiça já tinha mantido a interdição da via, após análise do laudo pericial que determinou que há risco de deslizamento na encosta. Via está interditada por conta de pelo menos três deslizamentos ocorridos nos últimos meses. 
A Niemeyer foi fechada no dia 28 de maio após uma determinação da juíza titular da 3ª Vara da Fazenda Pública, Mirela Erbisti. De acordo com a prefeitura, a via ficará totalmente bloqueada no sentido São Conrado-Leblon. Já no sentido oposto, apenas moradores da região terão o acesso liberado, como determina a decisão judicial.
Moradores reclamam da interdição
Moradores do Vidigal e da Chácara do Céu estão apreensivos com os efeitos da interdição total da Avenida Niemeyer, determinada nesta terça-feira pelo Tribunal de Justiça (TJ), após pedido do Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ). Segundo eles, o fechamento, além de causar transtornos nos deslocamentos, poderá comprometer o abastecimento de alimentos e produtos básicos nas duas comunidades.
Para evitar o pior, eles já começaram a colher assinaturas para um abaixo-assinado propondo que só parte da via, entre São Conrado e Vidigal, seja fechada para obras. Os moradores também sugeriu que a prefeitura, durante a interdição, disponibilize vans entre a entrada do Vidigal e a estação de metrô Antero de Quental, no Leblon. No entanto, a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) informou que não haverá ônibus gratuito.

Comentários